Ir para o conteúdo

Motta

Voltar a Segundo Clichê
Tela cheia

Lizza Dias sobe ao palco com seu amor à cultura afro-brasileira

18 de Novembro de 2019, 9:29 , por segundo clichê - | No one following this article yet.
Visualizado 11 vezes
Lizza Dias: show com músicas de seu EP e de outros autores

A gaúcha Lizza Dias, há 13 anos radicada no Rio, tornou-se referência na busca e estudo da cultura afro-brasileira, cultivando, desde cedo, a paixão pelo extenso leque rítmico e folclórico que forma a música popular brasileira. Esse fascínio ganha, agora, o formato de EP, o “Caboclinhas”, gravado no Estúdio Afro Reggae e com show especial de lançamento nesta terça-feira, 19 de novembro, no Centro Cultural Justiça Federal.

No show, Lizza vai apresentar músicas que estão no novo EP, como “Pra te Adocicar”, composição de Laércio Lino e Flávio Moreira, um samba que ouviu pela primeira vez na Pedra do Sal, no Rio. 

Uma rica mistura de samba com ijexá, “Eu cheguei na Mauá” é de autoria do DJ MAM, e tem a Zona Portuária e a raiz afro como temas, indo totalmente ao encontro da vivência da cantora gaúcha com a cultura afro no Rio Grande do Sul e, posteriormente, no Rio. 

Já “Semeando o Amanhã” é uma composição da cantora com Marcelo Lehmann, inspirada a natureza e seus encantos, dedicada à fauna e às matas, florestas, cachoeiras e mares do Brasil. 

Composição de Marcelo Bizar e Silvio Silva, “Tambor” atravessa fronteiras, buscando no candombe, ritmo afro-uruguaio, sua inspiração e, de certa forma, uma homenagem que Lizza faz a sua própria genealogia, por ser neta de uma uruguaia. 

Do EP, serão apresentadas no show, ainda, o jongo “13 de Maio” e o ijexá “Eixo da imaginação”, do compositor Gegê de Itaboraí, da Velha Guarda da Portela, retomando sua adoração pela natureza e o respeito ao planeta.

Fazem parte também do repertório do show vários cocos de domínio público, incluindo o do candomblé, conhecido como “Coco Zé Pilintra”, e diversos jongos conhecidos, em “Axé pra Todo Mundo”. Em “Cabocla Jurema”, composição de Candeia - um forte ritmo afro influenciado pelo jongo e pelo candomblé -  Lizza buscou inspiração na época em que trabalhou no Quilombo do Candeia, no Rio, juntamente com o Mestre Dinho, parceiro do compositor. 

A luta da mulher negra e sua resistência ao longo da história são temas de “Seu Grito”, de Aurinha do Coco, e “Clementina no Morro”, fruto do seu trabalho de pesquisa sobre o maracatu e ritmos brasileiros, contando a história dos tambores, com foco na mulher guerreira. 

A narrativa continua com “Zumbi”, de Gilberto Gil, dedicado ao líder Zumbi dos Palmares, e também em “Homenagem aos Orixás”, composição de Dona Onete, que remete ao tempo da escravidão, quando as mulheres empunhavam suas lanças e lutavam junto com seus familiares. Da compositora gaúcha Delma Gonçalves, “Sunga, a Nêga” traz elementos do hip-hop e do rap, dialogando com a modernidade, porém sem largar mão das raízes.

Gaúcha de Porto Alegre, Lisane Dias começou a cantar ainda criança em festas da sua escola. Aos 16 anos, obteve sua carteira de musicista profissional pela OMB - Ordem dos Músicos do Brasil, participando, logo em seguida, de um coral infantil no Quilombo do Paredão, no Rio Grande do Sul, onde também, por dois anos, ministrou oficinas. Fascinada pela cultura afro, descobriu-se filha de Yansã, passando a aprofundar sua ligação com a cultura africana e a sua diversidade musical.

Em Porto Alegre, cantou em grupos como “Afro-Tchê” (axé music) e “Toque Fatal”, com repertório variado de MPB e músicas internacionais. Participou ainda como backing vocal em shows de renomados cantores nacionais, como Alcione, Leci Brandão, Dudu Nobre e Almirzinho. A partir de 2000, passou a se dedicar também à dança, tendo aulas de balé, jazz e dança afro no Grupo Afro Gaden, de Porto Alegre, onde nasceu seu interesse pelo jongo.

Morando no Rio de Janeiro desde 2006, Lizza Dias atualmente se apresenta com sua banda, no projeto Caboclinhas, realizado uma vez por mês na Praça dos Estivadores (Zona Portuária do Rio), com um repertório variado de samba de raiz, forró, frevo, jongo, afoxé e ijexá. Realiza também a oficina "Vivência do Jongo", todas às quintas-feiras, na Casa da Tia Ciata, ensinando a história, passos e cantos ancestrais de antigos africanos que viveram em Quilombos.

Serviço 

Data: 19/11 (terça-feira) 
Local: Centro Cultural Justiça Federal (CCJF)
Horário: 19 horas
Ingressos: R$ 30,00 (inteira) / R$ 15,00 (meia entrada legal)
Av. Rio Branco, 241 – Centro - Rio de Janeiro
Tel. (21) 3261-2550
Fonte: http://segundocliche.blogspot.com/2019/11/lizza-dias-sobe-ao-palco-com-seu-amor.html

Motta

0 comunidades

Nenhum(a)