Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Ação de escravagistas na fronteira do RS é alvo de novo inquérito

11 de Março de 2023, 16:10 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 133 vezes

Dos resgatados, todos homens, 10 eram adolescentes com idades entre 14 e 17 anos. Eles trabalhavam fazendo o corte manual do arroz vermelho e a aplicação de agrotóxicos, sem equipamentos de proteção, e chegavam a andar jornadas extenuantes antes mesmo de chegarem à frente de trabalho.

Por Redação, com ABr – de Porto Alegre

A operação conjunta entre o Ministério Público do Trabalho, o Ministério do Trabalho e Emprego e a Polícia Federal em Uruguaiana (RS) que resgatou, na véspera, 56 trabalhadores em condições análogas à escravidão em duas fazendas de arroz no interior do município prosseguia neste sábado, com a entrega dos relatórios às instâncias judiciais.

Trabalhadores escravosA ação de agentes públicos libertou do regime semelhante à escravidão os trabalhadores na lavoura do arroz, no interior gaúcho

Dos resgatados, todos homens, 10 eram adolescentes com idades entre 14 e 17 anos. Eles trabalhavam fazendo o corte manual do arroz vermelho e a aplicação de agrotóxicos, sem equipamentos de proteção, e chegavam a andar jornadas extenuantes antes mesmo de chegarem à frente de trabalho.

Segundo dados da fiscalização do trabalho, este é o maior resgate de trabalhadores em condições análogas à escravidão já registrado em Uruguaiana. O MPT-RS foi representado na ação pelos procuradores Franciele D’Ambros e Hermano Martins Domingues.

‘Gato’

A operação foi realizada nas estâncias Santa Adelaide e São Joaquim, em Uruguaiana, após uma denúncia informar a presença dos jovens na propriedade, em trabalho irregular e sem carteira assinada. O grupo móvel de fiscalização se dirigiu ao local e encontrou não apenas os adolescentes, mas trabalhadores adultos em situação análoga à escravidão.

Os trabalhadores eram da própria região, oriundos de Itaqui, São Borja, Alegrete e da própria Uruguaiana, recrutados por um “gato”, um agenciador de mão de obra equivalente à escravidão que atuava na fronteira oeste do Rio Grande do Sul.

Eles faziam o corte manual do arroz vermelho com instrumentos completamente inapropriados (muitos usavam apenas uma faca doméstica de serrinha), além de aplicar agrotóxicos com as mãos.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/acao-escravagistas-fronteira-rs-alvo-novo-inquerito/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias