Ir al contenido

Correio do Brasil

Regresar a CdB
Full screen Sugerir un artículo

Associação dos Delegados da Polícia Federal defende ação na prisão de Temer

marzo 22, 2019 12:47 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Viewed 61 times

Tema interno, a autonomia da Polícia Federal foi defendida por Paiva, assim como problemas de quadro de pessoal.

Por Redação, com ABr – de Brasília

O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), delegado Edvandir Paiva, disse nesta sexta-feira, que não houve qualquer espetacularização nas prisões do ex-presidente de facto, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco, pela Operação Descontaminação, na manhã de quinta. Paiva assegurou que detalhes das ações não foram repassados para jornalistas por agentes da PF.

O ex-presidente de facto, Michel Temer chega na Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro

– Não há como fazer um trabalho público escondido da sociedade. Posso assegurar que a imprensa não foi convidada para participar da deflagração da operação por alguém da PF, e se houve algum tipo de vazamento para a imprensa, tem que apurar e punir – disse, ao ser perguntado a respeito da cobertura jornalística feita ao longo da manhã, desde a prisão de Temer, a primeira a ser cumprida na quinta-feira.

A declaração foi dada após um encontro com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em Brasília. Paiva disse que a ação da Polícia Federal não foi tratada na reunião, que durou pouco mais de meia hora. “É uma atuação regular das instituições. O ministério não tem como intervir ou direcionar ações, apenas coordena a Polícia Federal, mas não intervêm tecnicamente”, disse.

Pauta

Segundo o delegado Edvandir Paiva, o principal assunto com Sergio Moro foi o Projeto Anticrime, em tramitação no Congresso Nacional. A ADPF formalizou o apoio ao texto e pediu empenho do Parlamento para que a proposta com medidas de combate à corrupção avance.

– O importante é que tramite. O Congresso Nacional tem toda autonomia para fazer alterações no projeto, mas que ele não fique parado como ficou a proposta de emenda à Constituição (PEC) da autonomia da PF, parada há dez anos – disse. O projeto sobre a estrutura da entidade está sob análise desde 2009.

Tema interno, a autonomia da Polícia Federal foi defendida por Paiva, assim como problemas de quadro de pessoal. De acordo com o delegado, hoje a Polícia Federal tem mais de 10 mil cargos e outros 4,5 mil estão vagos. Paiva pediu apoio do ministro para que aprovados no último concurso para o órgão sejam chamados até o próximo ano.

– Pedimos apoio junto ao Ministério da Economia. Sabemos que tem um problema fiscal no Brasil, mas é necessário resolver o problema de quadro. Polícia Federal não é gasto. É investimento. É preciso repor os quadros da PF, senão a capacidade investigativa da polícia fica comprometida – defendeu.


Origen: https://www.correiodobrasil.com.br/associacao-delegados-policia-federal-defende-acao-prisao-temer/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias