Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Cotação mundial das criptomoedas desaba e alerta para risco maior

13 de Maio de 2022, 15:52 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 38 vezes

No mercado financeiro, as ações de empresas de tecnologia e de empresas ligadas ao mercado de criptomoedas tiveram queda na Ásia, o que pode ampliar as perdas no setor de criptomoedas.  A fintech BC Technology teve queda de 6,7% no valor de seus papéis na bolsa de valores de Hong Kong, enquanto a Monex Group chegou a uma depreciação de 10% no preço de suas ações.

Por Redação, com agências internacionais – de Nova York, NY-EUA

O colapso da TerraUSD, ancorada no dólar norte-americano, levou o mercado global de criptomoedas a perder US$ 200 bilhões (R$ 1 trilhão, em conversão direta) nas últimas 24 horas, de acordo com informações do site CoinMarketCap, que monitora os valores e transações de criptomoedas. A perda de valor da TerraUSD levou a quedas do bitcoin e do ethereum, que caíram 10% e 16%, respectivamente.

A criptomoeda bitcoin é, hoje, um dos ativos com maior rendimento no mercado financeiroA criptomoeda bitcoin é, hoje, um dos ativos com o pior rendimento no mercado financeiro

No mercado financeiro, as ações de empresas de tecnologia e de empresas ligadas ao mercado de criptomoedas tiveram queda na Ásia, o que pode ampliar as perdas no setor de criptomoedas.  A fintech BC Technology teve queda de 6,7% no valor de seus papéis na bolsa de valores de Hong Kong, enquanto a Monex Group chegou a uma depreciação de 10% no preço de suas ações.

O bitcoin já vinha em uma tendência de queda nesta semana, puxada pela alta de juros nos Estados Unidos, que afasta investidores de ativos de risco.

Rejeição

Em março deste ano, Robert Kiyosaki, conhecido por ser o autor do livro sobre finanças pessoais “Pai Rico, Pai Pobre”, se mostrou pessimista em relação ao futuro do bitcoin por causa da regulamentação das criptomoedas nos Estados Unidos. Kiyosaki previu que as criptomoedas poderão ser confiscadas — apesar de que os ativos podem ser armazenados em dispositivos que funcionam carteiras codificadas e desconectadas da internet e de todo o sistema financeiro tradicional.

O megainvestidor e CEO da Berkshire Hathaway Warren Buffett expressou seu descontentamento com o bitcoin, questionando seu valor e pouco potencial para substituir o dólar. Segundo Buffett, ele não compraria todo o bitcoin do mundo nem por US$ 25, enquanto compraria 1% de todas as terras agrícolas dos Estados Unidos ou 1% de todos os prédios do país por US$ 25 bilhões, porque acredita que esses ativos possam gerar rendimentos ou produtos.

Outro crítico do bitcoin é Nassim Taleb, autor dos best-sellers A Lógica do Cisne Negro, Arriscando a Própria Pele e Antifrágil. Em fevereiro deste ano, quando o valor da criptomoeda teve queda significativa, Taleb disse que ela é um “jogo perfeito para otários durante tempos de juros baixos”. “A verdade é que o bitcoin não é uma proteção contra a inflação, não é uma proteção contra crises do petróleo, não é uma proteção contra ações e, claro, o bitcoin não é uma proteção contra eventos geopolíticos – na verdade, é exatamente o oposto”, disse, em suas redes sociais.

Pico histórico

Desde o declínio acentuado das criptomoedas, nas últimas horas, o êxodo de ativos de risco que se espalhou pelas mesas de operações globais vem castigando o bitcoin. A criptomoeda perdeu metade do valor registrado no pico histórico, há cerca de seis meses, e opera nos menores níveis desde janeiro de 2021, abaixo de US$ 30 mil.

Em meio a renovados sobressaltos com inflação e juros mais altos nas principais economias do mundo, a tendência é de que as moedas digitais sigam atrelados ao clima geral do mercado, mas uma possível onda de vendas por fatores técnicos ameaça impor pressão de queda ainda mais intensa.

Na semana passada, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) ampliou a dose do combate à escalada inflacionária e aumentou juros em 50 pontos-base, depois de ter elevado a taxa básica em 25 pontos-base em março.

Queda drástica

A autoridade monetária sinalizou que novos aumentos serão necessários e também anunciou o início da redução do balanço patrimonial. A justificativa para as políticas é o persistente choque de preços, agravado pela guerra da Rússia na Ucrânia e rígidas medidas contra o coronavírus na China.

O bitcoin, que havia se estabilizado nos arredores de US$ 40 mil no final de abril, despencou para a faixa dos US$ 30 mil e, em seguida, perdeu a marca. Entre as altcoins, como são conhecidas as demais criptomoedas, a ether recuou 35% no último mês, a cerca de US$ 1,94 mil, e a dogecoin sofreu uma drástica queda de 45%, passando a valer ao redor de US$ 0,08.

— Os fundamentos de longo prazo do bitcoin não mudam há meses, mas as preocupações com o crescimento/recessão tornaram este um ambiente muito difícil para as criptomoedas — resumiu o analista Edward Moya, da Oanda.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/cotacao-mundial-criptomoedas-desaba-alerta-risco-maior/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias