Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Estudo prevê 300 mil mortes por coronavírus até fim do ano nos EUA

7 de Agosto de 2020, 11:06 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 16 vezes

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros Estados norte-americanos divulgam taxas de infecções recordes.

Por Redação, com DW – de Washington

A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil norte-americanos até dezembro deste ano, segundo previsão de especialistas da Universidade de Washington divulgada na quinta-feira. Os pesquisadores afirmam, porém, que 70 mil vidas podem ser salvas se o uso de máscaras for respeitado.

Os Estados Unidos contabiliza quase 4,9 milhões de casos confirmados de covid-19, a da maior taxa total em todo o mundoOs Estados Unidos contabiliza quase 4,9 milhões de casos confirmados de covid-19, a da maior taxa total em todo o mundo

As mais recentes previsões do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME) surgem no momento em que os mais importantes consultores de doenças infecciosas da Casa Branca alertam que as principais cidades dos EUA podem sofrer eclosões de novos focos de coronavírus caso as autoridades locais não estiverem vigilantes e tomarem contramedidas.

– Estamos vivenciando uma montanha-russa nos Estados Unidos. Parece que as pessoas estão usando máscaras e respeitando o distanciamento social com mais frequência à medida que as instruções aumentam, mas depois de um tempo, quando as infecções caem, as pessoas baixam a guarda – disse Christopher Murray, diretor do IHME, ao anunciar a previsão da universidade.

O número de mortes relacionadas à covid-19 nos EUA superou a marca de 160 mil, trata-se da maior taxa total em todo o mundo. O país contabilizou quase 4,9 milhões de casos confirmados, segundo os dados compilados pela Universidade John Hopkins.

O IHME afirmou haver uma diminuição de contágios nos primeiros epicentros do país, Arizona, Califórnia, Flórida e Texas, mas registrou um aumento significativo desde meados de junho nos Estados de Colorado, Idaho, Kansas, Kentucky, Mississippi, Missouri, Ohio, Oklahoma, Oregon e Virgínia.

Em média, as autoridades reportaram recentemente cerca de 60 mil novas infecções por dia. Os Estados do Tennessee e da Carolina do Norte relataram aumentos recordes no número de mortes diárias na quinta-feira, com 42 e 73 óbitos, respectivamente.

O número de norte-americanos à procura de auxílio-desemprego caiu na semana passada, mas em meados de julho 31,3 milhões de pessoas ainda estavam recebendo cheques com o auxílio. Outro dado mostra um aumento de 54% na queda de ofertas empregos em julho.

Também na quinta-feira, o Departamento de Estados dos EUA suspendeu um alerta de março de que os cidadãos norte-americanos deveriam evitar as viagens internacionais devido à pandemia. No entanto, viajantes dos Estados Unidos ainda enfrentam restrições ou estão banidos em muitas partes do mundo, incluindo a União Europeia (UE) e o vizinho Canadá.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/estudo-mortes-coronavirus-eua/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias