Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Gilead fixa preço de remédio contra coronavírus em US$ 2.340 por paciente nos EUA

29 de Junho de 2020, 11:37 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 16 vezes

A Gilead Sciences definiu o preço do remdesivir, seu candidato a medicamento para covid-19, a US$ 390 por frasco para os Estados Unidos e governos de outros países desenvolvidos, informou a empresa nesta segunda-feira.

Por Redação, com Reuters – de Nova York/Pequim

A Gilead Sciences definiu o preço do remdesivir, seu candidato a medicamento para covid-19, a US$ 390 por frasco para os Estados Unidos e governos de outros países desenvolvidos, informou a empresa nesta segunda-feira, fixando o preço de um tratamento de cinco dias em US$ 2.340 por paciente.

Ampola de remdesivir, que ganhou aprovação para tratar covid-19 no JapãoAmpola de remdesivir, que ganhou aprovação para tratar covid-19 no Japão

O preço para empresas privadas de seguros dos EUA será de US$ 520 por frasco, disse a empresa, o que equivale a um total de US$ 3.120 por paciente.

A Gilead firmou um acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos EUA, no qual o departamento e os Estados irão administrar a alocação do medicamento em hospitais até o final de setembro.

Após esse período, uma vez que o fornecimento esteja menos restrito, o HHS deixará de administrar a alocação, disse a empresa.

Assunto de intenso

O preço do remdesivir tem sido assunto de intenso debate desde que a FDA dos EUA, que controla medicamentos e alimentos, aprovou seu uso de emergência em pacientes de covid-19 em maio.

Especialistas sugeriram que a Gilead precisaria evitar criar uma aparência de que está tirando proveito de uma crise de saúde para obter lucros.

Analistas de Wall Street disseram que o medicamento antiviral pode gerar bilhões de dólares em receita nos próximos dois anos se a pandemia continuar.

Uso militar na China

Os militares da China receberam aprovação para usar uma candidata a vacina contra covid-19 desenvolvida por sua unidade de pesquisa e pela CanSino Biologics depois que testes clínicos provaram que ela é segura e mostrou alguma eficiência, anunciou a empresa nesta segunda-feira.

A Ad5-nCoV é uma de oito candidatas a vacina chinesas aprovadas para testes em humanos dentro e fora do país para tratar a doença respiratória causada pelo novo coronavírus. Ela também foi aprovada para testes em humanos no Canadá.

No dia 25 de junho, a Comissão Militar Central da China liberou o uso da vacina por parte dos militares pelo período de um ano, disse a CanSino em um registro. A candidata a vacina foi desenvolvida conjuntamente pela CanSino e por uma instituto de pesquisa da Academia de Ciências Militares (AMS).

“Atualmente, a Ad5-nCoV está limitada somente ao uso militar, e seu uso não pode ser ampliado para uma campanha de vacinação mais ampla sem a aprovação do Departamento de Apoio Logístico”, disse a CanSino, referindo-se ao departamento da Comissão Militar Central que aprovou o uso militar da vacina.

A CanSino

Citando segredos comerciais, a CanSino não quis revelar em um email à Reuters se a inoculação da candidata a vacina é obrigatória ou opcional.

A chancela militar vem na esteira da decisão tomada pela China no início deste mês de oferecer duas outras candidatas a vacina a servidores de estatais em viagem ao exterior.

Os testes clínicos de Fase 1 e Fase 2 da candidata a vacina da CanSino mostraram que ela tem potencial de prevenir doenças provocadas pelo coronavírus, que já matou meio milhão de pessoas em todo o mundo, mas seu sucesso comercial não pode ser garantido, disse a empresa.

Separadamente, no início deste mês a AMS recebeu aprovação para testa sua segunda vacina experimental contra coronavírus em humanos.

Nenhuma vacina contra as doenças provocadas pelo coronavírus já foi aprovada para uso comercial, mas mais de uma dúzia das mais de 100 candidatas estão sendo testadas em humanos em várias partes do globo.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/gilead-preco-remedio-coronavirus-paciente-eua/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias