Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Os verdadeiros patriotas

23 de Setembro de 2021, 10:14 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 36 vezes

 

No Império, o verde que compõe o retângulo de nossa bandeira já se fazia presente, há abordagens históricas que consideram que a cor era uma homenagem à Casa de Bragança e à família de Dom Pedro I. Com a proclamação da República e a manutenção do verde na nossa bandeira, a associação passou a ser com nossas florestas e matas.

Por Thiago Modenesi – de Brasília

Olhando da varanda do apartamento em que moro vejo aqui e ali uma bandeira do Brasil pendurada na moradia de alguns vizinhos. Deveriam saber que defender a pátria não é apenas ostentar uma bandeira, mas sim defender os princípios de nossa nação, celebrados na Constituição de 1988 e nos Três Poderes que compõem nosso sistema de freios e contrapesos. Falemos um pouco das cores de nossa bandeira, uma das mais belas do mundo.

Defender a pátria não é apenas ostentar uma bandeira, mas sim defender os princípios de nossa nação, celebrados na Constituição de 1988 e nos Três Poderes

No Império, o verde que compõe o retângulo de nossa bandeira já se fazia presente, há abordagens históricas que consideram que a cor era uma homenagem à Casa de Bragança e à família de Dom Pedro I. Com a proclamação da República e a manutenção do verde na nossa bandeira, a associação passou a ser com nossas florestas e matas. Como se dizer defensor da bandeira e de nossos símbolos se o líder dos pretensos “patriotas” de plantão, o presidente Bolsonaro, é o mandatário que mais foi negligente com o desmatamento na República, que mais atacou a demarcação de terras e direitos indígenas? Como se dizer patriota fazendo loas ao governo que mais foi conivente com os madeireiros que destroem a Amazônia de maneira clandestina e que mais negligenciou as florestas que queimam dia após dia?

O amarelo do losango da bandeira também vem do Império do Brasil, há maneiras diversas de interpretar a origem da cor no nosso símbolo, do ponto de vista histórico. No Império a cor era associada ao amarelo-ouro da Dinastia Habsburgo-Lorena. Maria Leopoldina de Áustria, esposa do imperador Dom Pedro I e mãe de Dom Pedro II, pertenceu à dinastia Habsburgo-Lorena, tanto que seu nome oficial é Carolina Josefa Leopoldina de Habsburgo-Lorena.

Com a República a cor teve sua explicação embasada no ouro e minérios brasileiros, metais preciosos que o governo Bolsonaro tem incentivado a exploração predatória, clandestina e desregulamentada, que aprofunda a destruição da flora e da fauna em curso na Amazônia e outras estados de nossa federação, sem nenhum compromisso com a preservação ambiental e defesa das riquezas naturais para os brasileiros. Não dá para ser patriota e defender um governante com essa agenda anti-amarelo da nossa bandeira.

A explicação mais corriqueira para esfera azul de nossa bandeira é a que essa representa nossos céus, mares e rios. A esfera já é marca de nossa bandeira republicana, nossos mares e rios tiveram sua exploração predatória agravada no governo de Jair Bolsonaro, órgãos de defesa do nosso meio ambiente, a exemplo do Ibama, foram desmontados e sucateados.

As estrelas

As estrelas representam nossos Estados federados, já foram 21, hoje são 27. Um equívoco comum é associar a estrela solitária acima da bandeira ao Distrito Federal, ela representa na verdade o Estado do Pará, quando lá foi localizada se tratava do maior Estado mais próximo a linha do Equador.

Como se dizer patriota, defensor dos nossos valores, se associando a um governo como o de Bolsonaro, que ataca os Estados da federação, desrespeita a Constituição e o formato federado de nossa nação, tentando criminalizar governadores e prefeitos de nosso país?

Por fim, a frase “ordem e progresso” faz referência a um lema positivista de Augusto Comte que originalmente dizia “o amor por princípio e a ordem por base; o progresso por fim”. Faltou amor na nossa bandeira, mas está na essência do lema e de nosso povo. Falta amor ao presidente Bolsonaro. Governa vociferando ódio por todos aqueles que discordam de suas opiniões, prega desde o discurso de sua posse, em 1 de janeiro de 2019, a divisão do país.

Ser patriota é ser opositor do governo Bolsonaro, defender a nossa bandeira é defender seu simbolismo, simbologia e valores. Resgatemos eles para todos os brasileiros e brasileiras, vamos construir pontes que unam o país pela superação do ódio, intolerância, preconceito, ameaça a democracia, fascismo e retrocessos simbolizados por Jair Messias Bolsonaro. Somos todos defensores dos valores fundantes da República do Brasil, ele não.

Thiago Modenesi, é licenciado em História, Especialista em Ensino de História e Ciência Política, Pedagogo, Mestre e Doutor em Educação, é professor e pesquisador sobre charges, cartuns e histórias em Quadrinhos e editor do selo de histórias em quadrinhos Quadriculando, além de presidente do PCdoB em Jaboatão dos Guararapes/PE .

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/os-verdadeiros-patriotas/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias