Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Polícia do Rio investiga morte suspeita de cozinheira

1 de Agosto de 2020, 15:28 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 13 vezes

As filhas de Silva relataram a jornalistas, nesta tarde, que a mãe trabalhava para um casal de idosos, há cerca de um ano. Na quinta-feira, a cozinheira foi trabalhar normalmente e, ao meio-dia, as receberam a notícia de que a mãe fora internada.

Por Redação – do Rio de Janeiro

A morte da cozinheira Gilmara da Silva, 45, passou a ser investigada pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), neste sábado. A vítima estava na casa onde trabalhava, de onde foi levada para o hospital, segundo consta no Boletim de Ocorrência, após ser encontrada pelos patrões caída no chão, na última quinta-feira. Os policiais investigam a causa da morte, atestada no óbito como morte por asfixia mecânica.

Chegou morta

As filhas de Silva relataram a jornalistas, nesta tarde, que a mãe trabalhava para um casal de idosos, há cerca de um ano. Na quinta-feira, a cozinheira foi trabalhar normalmente e, ao meio-dia, as receberam a notícia de que a mãe estava internada na CTI do Hospital Cardoso Fontes, na Freguesia, Zona Oeste do Rio.

— Quando chegamos lá, nós fomos surpreendidos pelos parentes, os filhos dos patrões. Disse que minha mãe foi encontrada no chão e eles fizeram de tudo para socorre-la e levá-la para hospital, mas ela chegou no hospital desacordada — disse Michelle da Silva, uma das filhas.

As filhas de Gilmara da Silva se abraçam e choram a morte ainda inexplicável da mãeAs filhas de Gilmara da Silva se abraçam e choram a morte ainda inexplicável da mãe

As filhas disseram, no entanto, que funcionários do hospital disse que Gilmara já chegou morta à emergência. A DHC adiantou que investiga as circunstâncias da morte e os familiares da vítima já foram ouvidos, enquanto ocorrem novas diligências.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/policia-investiga-morte-suspeita-cozinheira/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias