Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Queimadas e tempo seco castigam o Distrito Federal

23 de Setembro de 2021, 14:47 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 60 vezes

 

O tempo altamente seco, com umidade relativa do ar chegando próximo a 10%, combinado com as altas temperaturas, torna o clima da capital do país quase inóspito para quem se aventura a sair na rua, especialmente entre 11h e 17h. 

Por Redação, com Brasil de Fato – de Brasília

O Distrito Federal registrou essa semana a temperatura mais quente do ano: 37,1º na terça-feira, segundo medição da estação meteorológica de Águas Emendadas, na região de Planaltina.

Brasília amanheceu encoberta de fumaça

O tempo altamente seco, com umidade relativa do ar chegando próximo a 10%, combinado com as altas temperaturas, torna o clima da capital do país quase inóspito para quem se aventura a sair na rua, especialmente entre 11h e 17h.

– Agora é período de transição do inverno para o começo da primavera, estamos no pico das altas temperaturas no DF. Geralmente, o mês de outubro é o que registra os dias mais quentes historicamente. Estamos recebendo radiação solar intensa, com pouquíssima nebulosidade, por estarmos ainda período seco, então essa radiação incide diretamente na superfície e a gente tem esses recordes de temperatura – explica a meteorologista Naiane Araújo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Segundo ela, setembro e outubro costumam registrar dias mais quentes do que no verão (que começa em dezembro), quando há mais nuvens e o volume de chuvas é muito maior.

“A chuva atua como um termoregulador, ou seja, um regulador da temperatura”. A maior temperatura no DF foi registrada no dia 9 de outubro do ano passado, de 37,8º C, também pela estação de Águas Emendadas.

Essa época também registra o maior número de incêndios florestais na região. Levantamento Instituto Brasília Ambiental (Ibram), que monitora as queimadas nos parques e unidades de conservação do DF, mostra que, até o dia 15 de setembro, foram notificados 110 focos de incêndio, número um pouco acima da média histórica.

O número ainda é menor do que os 163 focos registrados em agosto, mas como só foram registrados os primeiros 15 dias de setembro, a tendência é que este mês ultrapasse o anterior.

Em termos de área atingida, as queimadas ocorridas na primeira quinzena de setembro abrangem uma área de 787,2 hectares, o que equivalente 787 campos de futebol, superando, de longe, todos os meses anteriores.

Previsão de chuva

Muito aguardada pelos brasilienses, a chuva deve finalmente dar o ar da graça nos próximos dias. O Inmet prevê pancadas isoladas em algumas regiões da capital já nesta quinta-feira. Não há estimativa do volume de chuva, mas ela deve prosseguir ao longo do fim de semana, dando um pouco de refresco.

– Vai ter um alívio, com uma temperatura ainda alta, na faixa dos 30º C, mas bem menor do que o que estamos vendo agora, que chegou a 37º C. O principal é melhora na umidade relativa do ar, que vai aumentar e favorecer formação de áreas de instabilidade para mais chuvas – afirma Naiane Araújo, do Inmet.

Apesar do alívio, explica a meteorologista, essa nova estação, a primavera, que começa oficialmente na quarta-feira, tem uma característica híbrida, com dias chuvosos típicos do verão, e outros de tempo muito seco e com altas temperaturas.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/queimadas-tempo-seco-castigam-distrito-federal/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias