Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Suprema Corte: mulher que acusou indicado de Trump de assédio quer depor, diz advogada

17 de Setembro de 2018, 12:56 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 100 vezes

Christine Blasey Ford acusou Kavanaugh de atacá-la e despi-la no início dos anos 1980, quando ambos cursavam o ensino médio. Kavanaugh

Por Redação, com Reuters – de Washington

Uma mulher que acusou Brett Kavanaugh, indicado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à Suprema Corte, de assédio sexual cometido décadas atrás está disposta a depor publicamente diante de uma comissão do Senado que deve votar a indicação do juiz nesta semana, disse a advogada dela nesta segunda-feira.

Brett Kavanaugh, indicado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à Suprema Corte

Christine Blasey Ford acusou Kavanaugh de atacá-la e despi-la no início dos anos 1980, quando ambos cursavam o ensino médio. Kavanaugh, segundo indicado do presidente republicano a uma vaga vitalícia no tribunal mais importante da nação, negou as alegações.

A acusação ameaçou complicar sua indicação, que precisa ser aprovada primeiro pelo Comitê Judiciário do Senado e depois por toda a Casa, que tem uma pequena maioria de correligionários de Trump. Uma votação do comitê está agendada para quinta-feira, poucas semanas antes das eleições parlamentares de novembro.

Alguns republicanos do comitê disseram que a acusadora deveria ter a oportunidade de contar sua história, visão ecoada por Kellyanne Conway, uma das principais assessoras da Casa Branca.

Audiência

Em entrevistas veiculadas por redes de televisão na manhã desta segunda-feira, Debra Katz, advogada de Christine sediada em Washington, disse que sua cliente gostaria de falar publicamente. Indagada se isso incluiria um depoimento sob juramento em uma audiência pública com senadores, Debra respondeu no programa This Morning, da CBS: “Ela está disposta a fazê-lo, ela precisa fazê-lo”.

Mas seus comentários deram a entender que qualquer audiência pública poderia ser explosiva. Christine, hoje uma professora na Califórnia, acredita que as supostas ações de Kavanaugh foram uma “tentativa de estupro”, e “que se não fosse pela embriaguez extrema de Brett Kavanaugh, ela teria sido estuprada”, disse sua advogada no programa Today, da NBC.

Debra disse à CBS que Christine havia bebido uma cerveja, mas que não estava bêbada.

Chuck Grassley, presidente do Comitê Judiciário do Senado, planeja conversar com Kavanaugh e sua suposta vítima antes da votação agendada, de acordo com o porta-voz do comitê.

A senadora Lisa Murkowski, uma de duas republicanas do comitê, disse à CNN na noite de domingo que o organismo “pode ter que cogitar” debater um possível adiamento.

Jeff Flake, seu colega de partido no comitê, exortou este a adiar a votação até ouvir Christine, e outro republicano do comitê, Lindsey Graham, acolheu a proposta de um depoimento da acusadora, mas disse que isso deveria “ser feito imediatamente para que o processo continue como programado”.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/suprema-corte-mulher-trump-assedio/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias