Ir para o conteúdo

Motta

Tela cheia

Segundo Clichê

27 de Fevereiro de 2017, 15:48 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.

O "Black Album", do Metallica, pela Orquestra Petrobras Sinfônica

12 de Abril de 2019, 9:19, por segundo clichê


O disco de maior sucesso na trajetória da banda americana Metallica, “Black Album”, lançado em 1991, será a próxima aposta da Orquestra Petrobras Sinfônica para o projeto Álbuns, que vem lotando concertos em casas de espetáculo no Rio de Janeiro e em São Paulo. Com regência de Isaac Karabtchevsky, diretor-artístico e maestro titular do grupo, e arranjos inéditos de Ricardo Candido, a apresentação ocorrerá no Allianz Parque Hall, em São Paulo, dia 30 de junho. 

"Neste quarto ano da série Álbuns decidimos viajar pelo nosso primeiro álbum da década de 90. O 'Black Album' foi uma escolha rápida, pois o Metallica já realizou um lindo projeto com a San Francisco Symphony Orchestra e sempre demonstrou um flerte grande com a música clássica, algo, na verdade, bem comum no metal. Assim abrimos nosso peito para este novo desafio, que com certeza promete ser inesquecível!", comenta Mateus Simões, diretor-executivo da Orquestra Petrobras Sinfônica.

Em São Paulo, os ingressos para o concerto podem ser comprados pelo site www.eventim.com.br/allianzparquehall e na bilheteria do Allianz Parque (Rua Palestra Itália, 214). O show será realizado na recém-lançada configuração Allianz Parque Hall.

Quinto álbum de estúdio da banda, “Black Album” vendeu mais de 40 milhões de cópias ao redor do mundo, e imortalizou faixas como “The Urforgiven”, “Enter Sandman” e “Nothing Else Matters”. O disco será interpretado na íntegra por um conjunto de 50 músicos. 

A série Álbuns, que foi lançada pela OPES em 2016, já homenageou os discos “Dark Side of The Moon”, do Pink Floyd, “Thriller”, de Michael Jackson, e “Ventura”, do Los Hermanos. Ao todo as apresentações, que integram um grande conjunto de iniciativas da Petrobras Sinfônica para popularizar a música clássica e renovar o público do gênero, já reuniram mais de 20 mil pessoas.

A Temporada 2019 da orquestra se divide em três mundos: Clássico, Pop e Urbano. As séries Djanira, Portinari, Armando Prazeres e Na Sala, além do Festival de Câmara, compõem a programação clássica, enquanto projetos como Em Família, que apresenta versões de clássicos infantis, “Álbuns” e “Convidados” fazem parte das ações que buscam reforçar o perfil agregador, democrático e desbravador do grupo de 80 músicos.

A orquestra

Aos 47 anos, a Orquestra Petrobras Sinfônica se consolida como uma das mais conceituadas do país e ocupa lugar de prestígio entre os maiores conjuntos musicais da América Latina. Criada pelo maestro Armando Prazeres, a orquestra é formada por mais de 80 instrumentistas e tem como diretor-artístico e regente titular o maestro Isaac Karabtchevsky, nome mais respeitado no Brasil e consagrado internacionalmente.

Programação

"Enter Sandman" 
"Sad but True" 
"Holier Than Thou" 
"The Unforgiven" 
"Wherever I May Roam" 
"Don't Tread on Me" 
"Through the Never" 
"Nothing Else Matters" 
"Of Wolf and Man" 
"The God That Failed" 
"My Friend of Misery" 
"The Struggle Within" 

Serviço

Data: domingo, 30 de junho de 2019
Local: Allianz Parque Hall
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 1705 - Água Branca, São Paulo - SP, 05001-200
Horário: 17h30 (abertura dos portões) | 19h30 (início do show)
Capacidade: 5.757 pessoas
Ingressos: de R$ 50 a R$ 210
Classificação etária: 14 anos. Menores entre 5 e 15 anos de idade, acompanhados do responsável legal. *Sujeito à alteração Judicial.
Acesso para deficientes



Filmes com Tonico Pereira e Osmar Prado são premiados no Festival Curta Mazzaropi

10 de Abril de 2019, 8:32, por segundo clichê


Três dias de programação intensa e exibição de curtas em homenagem a Amácio Mazzaropi, que completaria 107 anos neste mês, marcaram a primeira edição do Festival Curta Mazzaropi, entre os dias 5 e 7 de abril, no Museu Mazzaropi, em Taubaté (SP). Durante o evento, que foi um sucesso e atraiu mais de mil pessoas, 12 produções foram selecionadas para a final, sendo quatro premiadas com o desejado troféu Mazzaropi. O divertido “O Embrolho” (foto), protagonizado por Tonico Pereira e com trilha de Chay Suede, foi eleito o melhor filme pelo júri popular, além de vencer também na categoria direção, com Roobertchay Rocha. Já o drama goiano “Solo”, dirigido por Alailson Bernardo, e que aborda questões como bullying, foi a escolha do júri técnico.

Osmar Prado foi apontado como o melhor ator pela atuação em “Um Café e Quatro Segundos”, de Cristiano Requião, enquanto o prêmio de melhor atriz ficou com Jáli Kiárit, de “Amor Artesanal”, uma coprodução São Paulo e Taubaté, rodada na cidade de Tremembé (SP) e de autoria de Lucci Antunes.

Arthur Ribeiro, Mantenedor do Instituto Mazzaropi, faz um balanço positivo da primeira edição do festival: “Para além das atividades e exibições que atraíram muitos fãs de Amácio Mazzaropi, nosso objetivo de apresentar o trabalho dele para as novas gerações e reverenciar sua importância para a cultura nacional foi alcançado. Esperamos atrair ainda mais pessoas nas próximas edições”, afirma.

Atualmente, o Museu Mazzaropi é mantido pelo Instituto Mazzaropi. Mais informações podem ser obtidas no telefone (12) 3634.3447, site www.museumazzaropi.org.br e e-mail info@museumazzaropi.com.br.



Massacre de Realengo inspira livro sobre amizade

9 de Abril de 2019, 10:13, por segundo clichê


"O Pior Dia de Todos" é um romance terno e perturbador, uma ficção criada a partir de um dia trágico, que realmente aconteceu – o Massacre de Realengo, como ficou conhecido o atentado a uma escola do subúrbio do Rio, em que um ex-aluno matou 12 estudantes, a maioria meninas, em abril de 2011. Não é um livro sobre o massacre, mas sobre a amizade. Escrito por Daniela Kopsch, jornalista que cobriu o episódio, "O Pior Dia de Todos" não é um livro sobre aquelas mortes, mas aquelas vidas.

Malu e Natália, as duas primas que protagonizam a história, revelam o que é ser menina neste país, alimentando grandes esperanças quando é sempre iminente o risco de se perder tudo. A tragédia do Realengo, a maior já ocorrida numa escola brasileira, comoveu o país em abril de 2011 – quando vivíamos uma euforia econômica, o acesso à educação começava a transformar uma geração e estávamos todos otimistas. Oito anos depois, mudou o país, mudamos nós – e este livro, como só as narrativas mais originais conseguem, pretende transformar um relato em material sólido, capaz de perdurar por mais tempo.

Com estrutura aparentemente simples, a obra nos apresenta um mundo difuso de preconceitos, desejos e limitações de forma crua e clara. Por meio de suspensões, silêncios e outros recursos sutis da linguagem, foge da pieguice para nos capturar com inteligência e emoção. Daniela Kopsch faz uma estreia surpreendente, alvissareira, quando livros e meninas vivem momento tão adverso no país.

Daniela nasceu em Piçarras, pequena cidade do litoral de Santa Catarina, em 1987, e hoje mora no Rio de Janeiro – onde trabalha como repórter e redatora para veículos como Canal Futura, Editora Abril e HuffPost. Formada em Jornalismo pela PUC, em Curitiba, especializou-se em literatura na UFRJ, no Rio. "O Pior Dia de Todos" é sua estreia na ficção.



Silibrina lança novo álbum, uma ode ao carnaval

8 de Abril de 2019, 10:21, por segundo clichê


Na esteira de dois anos de apresentações no Brasil, Estados Unidos e Europa, a banda de música instrumental brasileira Silibrina, liderada pelo pianista Gabriel Nóbrega, lança seu segundo álbum, "Estandarte". A obra está disponível nas principais plataformas digitais.

Dando continuidade a "O Raio", o álbum de estreia, "Estandarte" mostra o grupo de sete instrumentistas ainda mais entrosado. As músicas e arranjos foram compostos por Gabriel Nóbrega pensando nas características de cada integrante e na relação deles com a música popular brasileira, deixando evidente a linguagem de Silibrina. 

"O jeito que elegemos colocar os ritmos brasileiros no disco é não literal: nossa música é majoritariamente brasileira, mas não exclusivamente. E uma faixa não se restringe a um ritmo, manifestação ou movimento. O grande objetivo de 'Estandarte' é mesclar tudo isso e contar uma história, em que as músicas se desenvolvem construindo um arco narrativo no processo", explica Gabriel Nóbrega. Misturando frevo, baião, maracatu, coco e ciranda - e pitadas de jazz -, "Estandarte" é uma ode ao carnaval. 

O processo de gravação do álbum ocorreu em agosto no Estúdio Dissenso e preza pela qualidade do áudio. Mas também tem vídeo no ar: a banda está lançando algumas das faixas captadas na apresentação exclusiva de pré-lançamento feita em setembro no Centro Cultural Rio Verde, em São Paulo. Assim, Estandarte terá duas versões: a "estúdio", lançada em áudio dia 18 de janeiro nas plataformas digitais e em breve em CD físico pela Tratore, e algumas faixas em versão "ao vivo", em vídeo (confira aqui http://bit.ly/playlist_estandarte ).

A turnê de lançamento do álbum "Estandarte" começou dia 19 de janeiro no Uruguai e na Argentina e segue aqui no Brasil no primeiro semestre. Já passou pelo Bourbon Street, Jazz Nos Fundos e Bona, na capital paulista, e, em abril, tem as seguintes apresentações agendadas no Sesi: Piracicaba (25/4), Birigui (26/4)e Campinas (27/4). 

Além de tocar piano, Gabriel Nóbrega assina as composições e arranjos do septeto e é acompanhado por Ricardinho Paraíso (baixo), Jabes Felipe (bateria), Matheus Prado (percussão), Wagner Barbosa (saxofone), Reynaldo Izeppi (trompete) e Gileno Foinquinos (guitarra), artistas de referências diversas, vindos de diferentes regiões do Brasil e extremamente atuantes no cenário musical em São Paulo. 

Gabriel Nóbrega iniciou sua carreira musical aos 11 anos de idade acompanhando seu pai, o multiartista pernambucano Antônio Nóbrega, como percussionista. Durante  13  anos  fez  shows por todo o Brasil e turnês ao redor do mundo. Mais tarde, apostou também na vocação para criar e dirigir filmes de animação e, em 2015, foi o diretor de publicidade mais premiado do Brasil e um dos mais premiados do mundo. Hoje é um dos sócios do estúdio Vetor Zero, mas sempre se manteve ativo na música, compondo e tocando piano, seu instrumento de formação.

Onde ouvir

iTunes: http://bit.ly/itunes_estandarte 
Spotify: http://bit.ly/spotify_estandarte 
Smartlink Tratore: http://trato.red/estandarte (dá acesso a todos os links do álbum)  
Teaser: https://youtu.be/vIVb6R8ohXw

Redes Sociais

facebook.com/silibrina.band
instagram: @silibrina
youtube/silibrina



Orquestra de imigrantes faz show gratuito em SP

8 de Abril de 2019, 10:07, por segundo clichê


A Casa-Museu Ema Klabin, em São Paulo, retorna com o Programa Tardes Musicais, no dia 13 de abril , sábado, às 16h30, com a apresentação da Orquestra Mundana Refugi. O show tem entrada franca.

Formada por músicos brasileiros, imigrantes e refugiados de diversas partes do mundo, a orquestra apresenta, sob a direção musical de Carlinhos Antunes, temas tradicionais da Palestina, Irã, Guiné, Congo e Brasil, além de composições autorais.

A Mundana Refugi, que surge após 15 anos de Orquestra Mundana, foi formada dentro do projeto REFUGI, no Sesc Consolação, que oferecia oficinas musicais gratuitas para imigrantes e refugiados.  O projeto foi  idealizado pelo compositor e multi-instrumentista Carlinhos Antunes e pela assistente social Cléo Miranda.

À formação original da Orquestra Mundana, que já contava com músicos da França, Cuba e de diversas regiões do Brasil, foram somados músicos e cantores da Palestina, Síria, Congo, Haiti, Irã e Guiné-Conacri.

No repertório da orquestra estão composições de Carlinhos Antunes e temas tradicionais da Palestina, Irã, Guiné-Conacri, Congo e Brasil, com arranjos criados especialmente para a formação.

A Orquestra Mundana Refugi é formada por: Carlinhos Antunes (cordas e direção musical – Brasil) , Abou Cissé (percussão - Guiné-Conacri),  Arash Azadeh ( kemanche - Irã ), Beto Angerosa (percussão – Brasil), Claudio Kairouz (kanun árabe – Brasil),  Daniel Muller( acordeon – Brasil),  Danilo Penteado( piano – Brasil),  Hidras Tuala( voz – Congo),  Leonardo Matumona – (voz – Congo),  Luis Cabrera( saxofone – Cuba), Mah Mooni ( voz – Irã),  Maiara Moraes(flauta – Brasil),  Mariama Camara (voz e percussão - Guiné-Conacri),  Mathilde Fillat (violino – rança),  Nelson Lin (cítara de martelo - Brasil/China),  Oula Al-Saghir ( voz -Palestina/Síria),  Paula Mirhan (voz – Brasil),  Pedro Ito (bateria – Brasil),  Raouf Jemni ( kanun turco  - Tunísia),  Rui Barossi (contrabaixo – Brasil),  Yousef Saif (bouzouki – Palestina). 

Projeto do engenheiro-arquiteto Alfredo Ernesto Becker, a Casa-Museu Ema Klabin teve como inspiração o Palácio de Sanssouci, em Potsdam, Alemanha. O Museu reúne mais de 1.500 obras, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, dos modernistas brasileiros Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari e Lasar Segall; talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário de época, peças arqueológicas e decorativas. 

Serviço

Data: 13 de abril - sábado
Horário: 16h30 às 18h
Entrada Franca
170 lugares
Visita ao acervo a partir das 14h – Gratuito aos finais de semana.
Fundação Ema Klabin
Endereço: Rua Portugal, 43, Jardim Europa - São Paulo.
Ouça: https://www.youtube.com/watch?v=CGHteR7rhu8
https://emaklabin.org.br/



Motta

0 comunidades

Nenhum(a)