Ir para o conteúdo

Chipa & Café

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Frente Guasu alerta sobre violação dos Direitos Humanos no Paraguai

20 de Março de 2014, 12:12 , por Chipa & Café - | No one following this article yet.
Visualizado 21 vezes

Por Mariana Serafini, publicado originalmente no Portal Vermelho

Há 34 dias os presos políticos de Curuguaty (massacre que impulsionou o golpe ao presidente Fernando Lugo em 2012), estão em greve de fome no Paraguai. Na próxima quarta-feira (26) o país começa uma greve geral contra as políticas entreguistas do presidente Horácio Cartes e em defesa dos presos políticos. A Frente Guasu (coalizão dos partidos de esquerda) pede aos líderes e movimentos sociais latino-americanos para voltarem os olhos ao Paraguai, enviarem apoio e serem solidários a esta causa.

Com o estado de saúde mais debilitado a cada dia, a situação dos cinco presos políticos no presídio de Tacumbú, região metropolitana da capital Assunção, se agrava. No total são 14 presos políticos, divididos em duas penitenciárias e prisão domiciliar. Eles permanecerão em greve até que o Estado dê alguma resposta sobre o massacre que resultou na morte de 11 campesinos e seis policiais, além de pedirem a liberdade de todos os companheiros e a destinação das terras de Marina Kue (terreno onde aconteceu a matança) para as famílias que foram desalojadas.

Há poucos dias, a Comissão responsável por Curuguaty – composta por familiares das vítimas, políticos e militantes sociais – se reuniram com o presidente da Corte Suprema de Justiça do Paraguai, Raúl Torres Kirmser, que se comprometeu em transferir os presos para um lugar onde pudessem contar com observação médica e disse ainda que o Estado se responsabilizaria pelas consequências devido à greve de fome. No entanto nada aconteceu, os cinco militantes continuam em condições precárias e não recebem nenhuma resposta do Estado.

Paralelo a isso, o país sofre com as políticas entreguistas do presidente colorado Horácio Cartes. Desde que a Lei de Aliança Público Privada foi aprovada, no final de 2013 (mesmo com uma grande mobilização popular contrária à aprovação) a população vem sentindo as consequências de uma política que protege o grande empresariado e não garante direitos aos trabalhadores.

A classe trabalhadora sofre com congelamento salarial e condições precárias de trabalho. Há regiões militarizadas ao Norte do país, vários líderes camponeses já foram assassinados neste período, e o Estado se mantém omisso a todas essas questões.

Diante deste cenário, as centrais sindicais convocaram o povo paraguaio para uma greve geral que começa na próxima quarta-feira (26). O processo de mobilização acontecerá desde o dia 23 em algumas regiões. A adesão popular tem sido grande, no campo e na cidade os trabalhadores mostram interesse nas questões políticas e com isso a adesão à greve é significativa.

Em contrapartida o governo de Horácio Cartes desenvolveu uma campanha de massa contra a greve. Os principais veículos de comunicação, favoráveis às políticas do partido Colorado, trabalham contra a mobilização popular. Diversos outdoors foram colocados nas principais cidades com imagens apelativas que afirmam “O país precisa avançar, não se deter”. Há ainda uma campanha para as redes sociais com a hashtag #TrabajoNoMeDetengo (TrabalhoNãoMeDetenho).

Campanha contra a greve geral: "O país precisa educar, não se deter"

Campanha contra a greve geral: “O país precisa educar, não se deter”

Chamado da Frente Guasu

Devido à grande pressão do Poder Executivo e da maioria parlamentar de direita, a Frente Guasu lançou um chamado aos líderes e aos movimentos sociais da América Latina. A coalizão dos partidos de esquerda paraguaios pede apoio neste momento delicado que o país vive. A ideia é que os países enviem militantes políticos ao Paraguai dias antes da greve geral, e que permaneçam até um dia depois, pelo menos, para acompanhar este processo de perto como forma de fiscalizar as ações repressivas que o governo poderá implantar para deter a mobilização popular.

“É por este motivo que, como Frente Guasu, e fazendo eco a todas as demais organizações sociais que participam destas mobilizações e greve geral, assim como os próprios campesinos em greve de fome, pedimos encarecidamente para que venham ao Paraguai a fim de serem testemunhas da gravíssima situação que passam os direitos humanos em nosso país”, diz um trecho da carta.


Fonte: https://chipaecafe.wordpress.com/2014/03/20/frente-guasu-alerta-sobre-violacao-dos-direitos-humanos/