Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Blog do damirso
Tela cheia

PERSPECTIVAS PARA 2014 - “o Brasil é um BMW”

31 de Dezembro de 2013, 8:36 , por Daniel Miranda Soares - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 64 vezes

PERSPECTIVAS PARA 2014 - “o Brasil é um BMW”

Num editorial histórico, publicado nos jornais brasileiros, que hoje praticam um pessimismo militante, a montadora alemã BMW dá uma lição aos fracassomaníacos : “Ultimamente, parece que está na moda questionar a capacidade do Brasil. A capacidade do País de realizar, de crescer, de ser grande, de ser o país que todo mundo espera e precisa. Permitam-nos discordar inteiramente dessa percepção. Para nós, o Brasil é um BMW....”, diz o texto. “Se alguns duvidam do Brasil, nós investimos 200 milhões de euros”... "Estamos orgulhosos de nos tornarmos um pouco mais brasileiros"....“Se ficam com o pé atrás, nós pisamos no acelerador” : afirmou o diretor da empresa para as Américas, Ludwig Willisch. Ao que tudo indica, os alemães não se informam pela imprensa brasileira, eles tomam suas decisões levando em conta suas próprias análises sobre a economia brasileira.

 

O ano de 2013 ficará marcado pelo alto investimento de montadoras no mercado brasileiro, que soma R$ 5,2 bilhões. Em outubro, a Daimler anunciou que vai construir uma fábrica de automóveis Mercedes-Benz no país, .....Duas semanas antes, a Audi, unidade da Volkswagen, afirmou que vai investir cerca de 150 milhões de euros para produzir o Q3 e o sedã A3 em São José dos Pinhais (PR) a partir de 2015....A britânica Jaguar Land Rover vai construir sua primeira fábrica de veículos em Itatiaia, no interior do Rio de Janeiro, em investimento de cerca de 1 bilhão de reais....

 

O governo federal acaba de divulgar um número que derruba o último pilar doterrorismo econômico, focado no chamado descontrole dos gastos públicos; superávit primário (que mede receitas menos despesas, antes dos gastos com juros) registrado em novembro ficou em R$ 28,8 bilhões; número é recorde e eleva o saldo acumulado do ano a R$ 62,4 bilhões; “É o melhor resultado da série e mostra o que vínhamos falando antes: que iríamos cumprir a meta de R$ 73 bilhões. Estávamos corretos", disse o secretário do Tesouro, Arno Augustin; vitória também do ministro Guido Mantega, que vinha sendo atacado pela suposta "contabilidade criativa".

 

Fazendo uma RETROSPECTIVA DE 2013, vamos ver que não aconteceu o desastre e o caos econômico previsto pela Mídia Oposicionista :

 

1) O apagão que não houve.O ano de 2013 começou com garantias expressas de figurões da mídia, como a colunista Eliane Cantanhêde, do jornal Folha de S. Paulo, de que o Brasil viveria um apagão de energia. Rebatia-se, com a arrogância típica da antiga grande imprensa, que as autoridades estavam simplesmente mentindo para o público.....O que se viu, no entanto, foi uma grande ‘barriga’ – nome dado a erros crassos de jornalistas – dos articulistas. O apagão não veio.

 

2. A inflação que não disparou

À medida em que o fantasma do apagão de energia nem saiu do armário, os proclamados especialistas procuraram outra assombração. Nada melhor, àquela altura, para amedrontar o público, do que o dragão da inflação – simbolizado, em capas ridículas de Veja e Época, nas altas sazonais do tomate....notáveis como a colunista Miram Leitão, de O Globo, baixaram suas cartas na certeza de que a meta de 6,5% do Banco Central seria estourada logo depois da metade do ano....o economista-chefe e sócio do banco Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, pediu que as autoridades provocassem o “esfriamento” da economia, e deixou claro que, para ele, somente o desemprego poderia frear a demanda e, assim, normalizar os preços dos mais diferentes produtos....O que se tem agora, quando 2013 chega ao fim, é um recorde histórico na geração de empregos, que foi a maior do País desde 2002. E, ainda, o que há é uma taxa de inflação projetada que não chegará aos 6%, permanecendo abaixo da meta de até 6,5% estabelecida pelo Banco Central.

 

3. Os empresários que continuam otimistas

Nos últimos três meses, a moda nas páginas econômicas dos chamados jornalões foi abrir espaço para quem dizia que a paciência dos empresários com o governo federal estava por um triz. Neste final de ano, porém, pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou otimismo para 2014.

 

4. Concessões foram um sucesso

A partir da batida do martelo do campo de Libra, do pré-sal, em outubro, que resultou em bônus de R$ 15 bilhões para o caixa do governo, a administração federal leiloou aeroportos e estradas com forte rebaixamento de pedágios e altos pagamentos pela exploração dos equipamentos. Caiu por terra todo o mau agouro dos que apostavam no fracasso. Como disse o Wall Street Journal, em razão do bem sucedido programa de concessões, a presidente Dilma fecha 2013 “em alta”.

 

Por último, segundo Luís Nassif, como a mídia transformou crescimento das vendas de fim de ano em surpreendente “fracasso”. Manchete da Folha: “Comércio tem o pior resultado no Natal em 11 anos”.Manchete do Estadão: “Com crédito contido e juros altos, vendas de Natal decepcionam”. Ambos os jornais trabalham em cima de dados da Serasa Experian e da Alshop, a associação dos lojistas de shoppings. A Serasa trabalha especificamente com pedidos de informação para crédito. Houve retração no crédito, mas a maior ferramenta de vendas têm sido o parcelamento (em até dez vezes) em cartões de crédito e de loja. Os jornalões trataram os dados da Serasa como se representassem o universo total de vendas. As vendas em shoppings deixam de lado o comércio para classes C e D – justamente as que mais vêm crescendo. Mesmo assim, os jornalões trataram os dados como se representassem o todo. Os jornalões deixaram de lado o comércio eletrônico – que tem sido o principal competidor das lojas de shopping. Em 2013 os shoppings centers venderam R$138 bilhões, 8% a mais do que em 2012. O comércio eletrônico vendeu R$23 bilhões, ou 45% a mais do que em 2012. Somando a venda dos dois segmentos, saltou de R$151 bilhões em 2012 para R$161 bilhões em 2013, aumento de expressivos 12%. Nos últimos 11 anos, as vendas de Natal sempre cresceram em relação ao ano anterior, o que transforma este no melhor Natal da série.

 

 

Pode-se fazer uma caricatura da imprensa brasileira, bem próxima da realidade, citando o post reproduzido milhões de vezes no Facebook chamado “Super Retrospectiva Míriam Leitão”, em que a jornalista da Globo repete o mesmo quadrinho, de 2003 a 2013, com estes mesmos dizeres: “tá tudo errado, inflação vai subir, PIB vai despencar, juros vão disparar, Petrobrás vai falir, Brasil vai quebrar.”. Retrata assim uma imprensa pessimista, fracassomaníaca, combatendo a política econômica do governo e fazendo sua opção neoliberal. A mídia oposicionista na verdade prega alta dos juros pra beneficiar os banqueiros e a privatização da Petrobrás e outras estatais no modelo neoliberal dos anos 1990. Todo mundo sabe que a crise atual no sistema capitalista é consequência do fracasso desse modelo. Exatamente a falta de regulamentação do Estado sobre o mercado financeiro é que está na raiz da crise atualque se iniciou nos EUA e depois se espalhou pelo mundo. Porque ainda insistem neste modelo só pode ser explicado pelo poder que eles ainda exercem na política.

 

América do Sul é uma exceção no mundo ocidental, porque já tinha sentido na pele o fracasso desse modelo nos anos 1990, bem antes da crise de 2008. O sucesso das economias sul-americanas nos 2000 se deve às intervenções do Estado na economia (modelo keynesiano) estimulando o crescimento econômico e a ampliação do mercado interno via distribuição de renda e geração de emprego. No Brasil a economia continua crescendo com índices pequenos mas positivos (no modelo liberal esse crescimento seria negativo), com recorde de empregos acumulados, menor taxa de desemprego da história, inflação na meta, renda em alta, dívidas em baixa e distribuição de renda. O modelo liberal provocaria a recessão com juros altíssimos, queda na produção e aumento do desemprego. O governo Lula (ainda sem a crise mundial) cresceu em média quase 5% ao ano, enquanto que no governo Dilma esse ritmo cai pela metade, influenciado pelos efeitos da crise mundial, que atinge o mundo inteiro inclusive os Brics.

 

O desempenho da economia brasileira de janeiro a setembro deste ano, mostra recuperação em relação ao ano passado, com expansão puxada pelos investimentos que cresceram 6,5% neste período. O número é mais do que o dobro do crescimento do PIB de 2,4% neste mesmo período, segundo o IPEA. Fernando Brito, coordenador de Estudos de Conjuntura do IPEA, disse à Agência Brasil que o crescimento dos investimentos tem ajudado a compensar a desaceleração do consumo das famílias. Isso significa que o aumento do nível de investimentos mantém a economia crescendo. Novas concessões na área de logística (rodovias, aeroportos,etc.) podem gerar investimentos gradativos a partir de 2014. Quando entrar em operação no início de 2014, aP-62 vai produzir 180 mil barris de petróleo (só ela, 9% da produção atual) e 6 milhões de m³ de gás (a plataforma é a nona da Petrobras entregue este ano: juntas, elas tem uma capacidade de produção de 1,5 milhão de barris por dia). A refinaria Abreu e Lima (Suape, Pernambuco), quando estiver em funcionamento (2014), terá capacidade de processar 230 mil bpd de petróleopesado (22% em relação à produção atual), significando menos importação e mais alívio nas contas externas. A Petrobrás vai saltar do patamar atual de 2 milhões de barris/dia para 4,2 milhões de barris/dia, em 2020 (com mais 30 novas plataformas): além de atender a demanda interna vai poder exportar. Portanto, ao contrário do que a mídia sugere, a situação é de otimismo para 2014.

 

A situação internacional está melhorando. Na semana passada, o FMI anunciou o início da recuperação sustentada da economia dos Estados Unidos. O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU prevê estimativas mais elevadas para 2014, com o fim da "prolongada recessão" na zona do euro, assim como a capacidade de Índia e China de "conter" a desaceleração dos últimos dois anos.

 

Daniel Miranda Soares é economista e administrador público aposentado, ex-técnico da FJP.


0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.