Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Blog do damirso
Tela cheia

Um novo e apocalíptico colapso capitalista

14 de Julho de 2015, 11:11 , por Daniel Miranda Soares - | No one following this article yet.
Visualizado 113 vezes

Um novo e apocalíptico colapso capitalista

http://www.diarioliberdade.org/mundo/laboral-economia/56777-um-novo-e-apocal%C3%ADptico-colapso-capitalista.html

Diário Liberdade - [Alejandro Acosta] Essa é a previsão de Nouriel Roubini para 2016.


"O capitalismo é a crise". Foto: The Environmental Blog (CC BY-NC-ND 2.0)

Roubini é um economista norte-americano que previu, em 2006, em detalhes, o colapso capitalista de 2008, a partir do estouro da especulação financeira com a chamada subprime, a especulação imobiliária levada ao extremo nos países desenvolvidos.

No início deste ano, Roubini previu um novo e ainda pior colapso capitalista, em 2016, a partir do estouro da “mãe de todas as bolhas”, as emissões de dinheiro podre pelos principais bancos centrais. Esse dinheiro podre é repassado para os monopólios a taxas próximas a zero e é aplicado imediatamente na especulação financeira. Mesmo assim, o semi cadáver do capitalismo não conseguiu dar mais que alguns passos a mais, às custas de gerar um mega endividamento dos estados burgueses.

De acordo com Roubini, em 2015, “teremos crescimento econômico e dinheiro barato, pelo que esta ‘espuma’ que vemos nos mercados ainda deverá continuar”. É exatamente isso o que está acontecendo nos principais países. Uma aparência de “bonança”, promovida em cima de volumes colossais de crédito, enquanto a economia produtiva mundial entrou em recessão. Ou seja, uma espécie de calmaria antes da tempestade.

Crises cíclicas?

O fenômeno das crises cíclicas é próprio do capitalismo na fase liberal, de ascenso industrial, no século XIX. A superprodução relativa de produtos (devido à falta de compradores) levava a um excesso de mercadorias que não encontrava compradores. Após ter destruído um volume de forças produtivas durante a crise, a produção era retomada, até a próxima crise, que se repetia a cada dez anos aproximadamente. Essas crises levaram sempre a turbulências e à movimentação das massas.

As revoluções que aconteceram em 1848, na Europa, tiveram na base a crise de 1847. Após o período de reação e refluxo que se seguiu às derrotas, a nova movimentação operária levou à fundação da Primeira Internacional Comunista, em 1864, que teve, na base, a crise industrial de 1858.

A partir do século XX, na época do imperialismo, as crises deixaram de ser periódicas, ou “cíclicas”. O Imperialismo representa a fusão do capital industrial com o capital financeiro, segundo a definição acunhada por V.I.Lenin, no seu famoso livro (Imperialismo, etapa superior do capitalismo). É uma caraterística da fase imperialista o aumento acelerado do parasitismo financeiro, do acúmulo de capital fictício, da exportação de capitais, de guerras para reformular a divisão do mercado mundial já dividido etc.

A cada nova crise, o capitalismo não se recicla, mas ganha uma nova ponte de safena. Assim, tem entrado num processo de envelhecimento histórico que o faz se assemelhar a um velho caquético em fase terminal.

O cenário obsceno em que vemos o mundo hoje faz parte da crise. O parasitismo financeiro foi levado a níveis gritantes, o mundo tem sido transformado numa espécie de cassino especulativo.

O capitalismo tem saída para a crise?

O capitalismo não consegue mais extrair lucros da produção.

A crise de 1929 somente foi fechada por meio da Segunda Guerra Mundial. O esforço de reconstrução deu um certo fôlego, nos países desenvolvidos, durante 20 anos. A crise mundial de 1974 liquidou as chamadas políticas keynesianas, que tinham conseguido estabilizar o sistema e conter o desenvolvimento das tendências revolucionárias após a guerra. A inflação e o desemprego dispararam.

A crise somente conseguiu ser contida, de maneira parcial, por meio da entrada de centenas de milhões de operários chineses, e depois do antigo bloco soviético, no mercado, com salários miseráveis. Sobre esta base, o movimento operário em ascenso foi contido e ataques em grande escala promovidos, principalmente, a partir da derrota da greve dos mineiros ingleses pelo governo de Margareth Thatcher e dos controladores aéreos pela Administração Ronald Reagan.

Novas crises, parciais, se sucederam. Mais foi o colapso capitalista de 2008 que colocou a pá de cal sobre o chamado neoliberalismo.

Nenhuma política alternativa ao neoliberalismo foi possível de ser colocada em prática. A tentativa mais avançada, neste sentido, foi a de François Hollande, na França, mas que fracassou de maneira humilhante, apesar do Partido Socialista francês contar com a maioria em ambas as câmaras. Hoje, Hollande é um dos líderes, junto com Angela Merkel, a chanceler alemã, das políticas de austeridade.

A falta de condições para estruturar uma nova política tem levado a manter a política neoliberal numa nova onda ainda mais brutal, conforme o exemplo da Grécia o mostra de maneira transparente. Da mesma maneira, na América Latina, os Estados Unidos passaram a apertar o ataque contra as massas com o objetivo de aumentar a espoliação, na tentativa de conter a queda dos lucros, implodida pelo aprofundamento da crise mundial.

Qual é a saída para a crise capitalista?

Mantendo as amarras parasitárias, não existe nenhuma saída possível para o capitalismo, com a exceção de guerras em grande escala e ataques ainda mais fortes contra a população. Essa “saída” está sendo impulsionada, devido à falta de alternativas, por meio dos grupos de extrema-direita que crescem em todo o mundo. O “efeito colateral” é que as guerras e os ataques contra os trabalhadores geram a desestabilização do sistema e conduzem inevitavelmente a revoluções.

Após a Primeira Guerra Mundial, aconteceu a revolução bolchevique na Rússia, a revolução na Hungria e três revoluções na Alemanha.

Após a Segunda Guerra mundial, os operários italianos se armaram e passaram a controlar todas as fábricas. As massas, na França, controlaram o país por meio da Resistência. Na Iugoslávia e na Albânia, os nazistas foram derrotados por revoluções populares. Na Grécia, aconteceram duas revoluções. Em 1947, foi declarada a independência na Índia. Em 1949, uma revolução popular na China derrota os norte-americanos, após terem derrotado os japoneses. O mesmo aconteceu no sudeste asiático. Os impérios coloniais na África desabaram.

A única saída para a crise capitalista é a derrubada do capitalismo, isto é, o domínio do mundo pelo punhado de famílias que o controlam. Em primeiro lugar, está colocada a estatização dos bancos, a quebra da especulação financeira e a estatização de todas as grandes empresas. Neste momento, nenhuma grande empresa consegue sobreviver sem o assalto aos cofres públicos. É uma das caraterísticas do imperialismo, o chamado capitalismo de estado.

O novo colapso capitalista irá, inevitavelmente, acordar as massas do grande “sonho neoliberal”. Está colocada a retomada do ascenso operário dos anos 1980. E sobre esta base a formação de partidos operários, de massa e revolucionários.