Ir para o conteúdo

Fr3d vázquez

Voltar a Blog
Tela cheia

Carnaval de (re)existência

2 de Fevereiro de 2016, 23:31 , por Fr3d vázquez - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 333 vezes
Licenciado sob Copyleft

Eba!!! Chegou o Carnaval! Vou me divertir, vou tomar um porre, não me socorre que eu estou feliz...

Pois é, essa é a palavra de ordem de muit@s foliãs e foliões nestes últimos dias. Mas na real, para muit@s de nós brincarmos o carnaval tem uma parada chamada produção. E esta produção, realizada por amantes da alegria contagiante, demanda tempo e muita insistência.

Realizar o carnaval em Brasília nestes últimos dois anos, em especial neste de 2015, está muito custoso e conflituoso. Além de escancarar a cultura do compadrio, ou como meu pai diz, a justiça ibérica: Aos amigos tudo, aos inimigos o rigor da Lei.

Assim tem se comportado o Governo do Distrito Federal-GDF, sob comando do senhor governador eleito, Rodrigo Rollemberg, mediante um embuste eleitoral de democratizar a cidade e fazer melhor que o governador Agnelo.

Para isso ele recrutou o que há de mais alinhado com as Raízes do Brasil (Sérgio Buarque de Holanda, aquele que tem um parentesco com um tal cantor chamado Chico Buarque), da prática do compadrio, barato e rasteiro.

As escolas de Samba estão à míngua, a Liga de Blocos penou bastante junto com os blocos alternativos e conseguiram seus tradicionais apoios da AMBEV, mas alvará, SLU, etc... na mesma dificuldade que os alternativos. Vide o Suvaco ter sido transferido para a Funarte. Para os Blocos alternativos, que fazem desta Brasília uma cidade valorosa pela sua espontâneidade, exigiu-se uma maratona de conversas e acordos em gabinetes, um a um, combinados e descombinados como quem troca de cueca - no meu caso, pode ser calcinha no caso das meninas, responsabilizando-os pela segurança, inclusive, na ocupação da rua pública. Não ofertando nada de estrutura para que a festa aconcetesse. Que os blocos também se fizessem responsáveis pela venda de bebidas alcóolicas pelos ambulantes, que são cadastrados pelo GDF. Tudo errado.

Parece que querem que dê errado mesmo, para agradar os 5 amigos da Lei do Silêncio.

Não queriam que a festa durasse para além das 22h, por conta da atrasada Lei do Silência que, segundo a reportagem do portal Metropoles.com do dia de ontem, foi sancionada por Paulo Octávio, grande empreendedor de Shoppings e afins no DF. E que agora - observação minha, vem construindo mais prédios nas aŕeas verdes das Superquadras.

Mas os blocos se mobilizaram, conseguiram fazer pré-carnavais, e com isso mobilizar a população e pressionar o GDF a assumir alguma responsabilidade. (Afinal para isso que o menino foi eleito, né?). Realizaram na última hora um pregão para contratar a empresa que daria o suporte logístico.

Pois bem, além dos alvarás até as 22h, também foram emitidos alvarás para até 24h e para até 02h. Garantiu-se que haveria policiamento, estrutura e apoio de paramédicos.

De início alguns blocos tiveram dificuldades, desde a total falta de apoio como foi com o bloco Virgens da Asa Norte no setor bancário norte, onde a SLU só foi passar praticamente 15 horas depois de finalizado, sem policiamento e sendo o bloco responsabilizado por tudo. Mas que serviu para mostrar a importância do Estados ser Estado.

Neste sábado passado (30/1), enquanto que na Praça dos Prazeres na 201N havia um número bastante elevado de policiais, na Funarte haviam três. Sim, isso mesmo, três gatos pingados. E aconteceu o assassinato de um jovem, por total falta de policiamento. E na praça, mesmo com alvará para ir até mais tarde, foram impedidos de continuar a festa às 22h. Com truculência e ameaça de multa.

Só depois do acontecido na Funarte, no domingo 31 que aumentaram para  três, sim isso mesmo, três. Mas agora três Baús de policiais. Correu tudo bem. Ufa.

Enquanto isso na Praça dos Prazeres, o contingente continuava grande com o controle da Adminstração em cima e algumas foliãs se queixaram de terem sentido gás pimenta onde dançavam na tenda. Pelo que sei, gás de pimenta só pode ser adquirido pela polícia. Certo Arnaldo? E mesmo com alvará para ir até as 02h, às 22h horas a festa foi encerrada por exigência dos órgãos públicos. Mesmo conseguindo negociar com a Agefis para ira até as 23h, o som foi desligado à revelia, por representante da Sec. de Cultura. Mas enquanto que a festa da Praça dos Prazeres, em frente ao Balaio, era encerrada com o rigoroso cumprimento da lei, no fim da rua rolava um trio elétrico. Sem nenhuma intervenção policial ou da AGEFIS, segundo informações.

Hoje o Bloco Me engole que eu sou Jiló foi proibido de realizar sua festa, que aconteceria na Praça dos Prazeres. ... Sim. ... Essa mesma da 201 Norte, você entedneu certo. ... bem continuando, mesmo assim os foliões e foliãs fizeram a festa no gogó.

Em todos os lugares que morei, em meus anos contemporâneos, pós ditadura, nunca vi uma persseguição tão ostensiva a uma pessoa e a um local. Já a multaram. Já fecharam o Café. Agora a querem inviabilziar? Querem acabar com ela e seu protagonismo?

Pergunta 1: qual é a Tara desse GDF com o Balaio Café?

Pergunta 2: quem, desse pessoal do GDF, tem medo do Balaio Café e sua produtora Ju Pagul?

Pergunta 3: Será que Ju Pagul é amiga do Lula e da Dilma?

Pergunta 4: Será que Ju Pagul andou no barco de lata de sardinha do Lula?

Pergunta 5: isso pode ser caractarizado com assédio político-economico-moral? Ou Bullying?

Pergunta 6: Uai?? (sacou a onomatopéia da palavra inglesa Why? - foi pro pessoal do GDF entender caso não saibam outro idioma)

Permiso, vou-me sentar para esperar as respostas.

Bom, depois de tudo isso podemos ter uma certeza. Uma única certeza.

Haverá carnaval sim.

Na Praça dos Prazeres e em tantas outras praças, pois as pessoas querem viver e conviver. Não desejam ser bonecos de maquete. Querem amar e criar novas possibilidades. Os jovens querem ser jovens. As pessoas querem viver a rua.

A cidade vai se reinventar para festejar.

É por tudo isso, e muito mais que não dá para colocar aqui, que 2016 será lembrado como o ano do Carnaval da (RE)ExistÊncia.

Afinal, Pimenta no Cunha dos outros é Refresco.

Vai vai enRollemberg, leva o Cunha pra ti!

 

Fred Vázquez
Produtor Digital,


Tags deste artigo: GDF Carnaval 2016 Blocos alternativos Pimenta no Cunha dos outros Rebeldia brasília distrito federal opinião

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar