Ir para o conteúdo

Blogoosfero

Tela cheia

Blogoosfero

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | 2 people following this article.
Licenciado sob CC (by)

Bolsonaro é Temer. Temer é Bolsonaro

1 de Outubro de 2018, 7:55, por Feed RSS do(a) News

Temersolnorabo
 
Por Reginaldo Moraes, no site Carta Maior:

Negue seu amor, o seu carinho;
Diga que você já me esqueceu.
Pise, machucando com jeitinho

Este coração que ainda é seu.

Diga que o meu pranto é covardia,
Mas não se esqueça
Que você foi minha um dia!

Diga que já não me quer!
Negue que me pertenceu,
Que eu mostro a boca molhada
E ainda marcada pelo beijo seu.

(Adelino Moreira e Enzo de Almeida Passos)


Talvez a melhor caracterização do “mito” Bolsonaro tenha sido a de Ciro Gomes, um frasista de primeira: o Bolsonaro inventou um personagem, agora ele incorporou o papel e os jornalistas entraram na onda. Se isso é verdade, corremos o risco de ver realizada a profecia de Marx. A ditadura militar, que uma vez nos foi imposta como tragédia, reaparece agora como farsa.

E a farsa é a essência do que temos como refeição diária. Toda a campanha eleitoral é uma gigantesca exibição de coisas sem sentido. Os debates na TV começaram mostrando uma encenação de fantasmas. Os primeiros chegaram a ser teatrais Para piorar a sensação do non-sense, uma cadeira mostrava a ausência da única figura real, justamente aquela à qual se negava existência e se mantinha confinada numa cela em Curitiba. Todo mundo sabia que aqueles diálogos eram um embate entre sombras do nada. E, claro, no meio da farsa, teria que despontar o personagem que é, ele próprio, uma farsa e apenas isso. E que é a própria essência do processo que vivemos há alguns anos.

A essência do golpe aparecera naquela tétrica demonstração do Congresso, votando o impedimento da presidenta. Um espetáculo deprimente, mas que mostrava a cara do que era a chamada Casa do Povo. A degradação era estampada em cada figura que aparecia ali, para votar em nome da família, da pátria, do unguento de babosa ou da amante do bode. Satanás discursando sobre a Sagrada Escritura.

Pior, na sequência do circo primário, uma série de golpes em direitos históricos e uma sequência de operações desastradas, aprofundando uma crise já anunciada por dois anos de sabotagem e pautas-bombas. No plano simbólico, uma escalada de desmoralizações do presidente-substituto, transformado em personagem de fancaria, a ponto de virar anti-herói em desfile de escolas de samba. O vampiro.

Diante desse desmanche de tudo o que restava de pé, um demagogo assumido, que mente sobre tudo, na maior cara de pau, apresenta-se como aquele que vai consertar essa bagaça. Dizem os seguidores, rangendo os dentes e dedilhando gatilhos: ele é a voz que faz o mundo ter sentido. Messias de nova estirpe.

Para cumprir esse papel, o canastrão tem que parecer estranho ao mundo que cai. Um outsider. Um inimigo do sistema. A negação da “podre política”. A farda (ou o pijama, neste caso) cai bem na foto. Ele é o homem da disciplina e da dureza, frente aos frouxos e corruptos da “engrenagem”. Os de sempre, como eles costumam dizer. Sempre.

Esta é, claro, sua primeira grande farsa – ele foi expelido da farda e alegremente incorporado ao sistema, dentro qual enriqueceu a si e a sua família ampliada, incluindo filhos, cunhados e cunhadas, mulher e duas ex-mulheres, irmão e papagaio. O passado condena com tal força que agora, na véspera das eleições, como fruto do tiroteio interno da quadrilha geral, uma revista famosa por suas barbaridades entrega o antigo irmão de lutas. O capitão é da pá virada, já fez de tudo e mais um pouco. A revista do esgoto e o rato residente. Eles são gregos, devem se entender. Ou não.

Mas a grande farsa, de fato, é outra. Esta eleição tem uma lista de candidatos e desde o inicio se procurava saber quem era o candidato do governo, aquele que representaria seu “legado”.

Com quem será que o Temer vai casar? Será Meireles? Faz me rir. Temer esboçou um abaixo-assinado, Meireles fez questão de tirar o corpo: “sou candidato do meu retrospecto”. Humm...

Alckmin? Parecia. Temer balbuciou alguma coisa, lembrou seus tantos ministros tucanos. Poderia até citar o mais relevante, aquele que virou juiz do Supremo para quebrar seus galhos. Mas o estadista de Pindamonhangaba percebeu que isso lhe custava perder votos – vacilou, o que lhe custou, claro, um puxão de orelhas do próprio vampiro presidencial. Temer, passional como sempre, desta vez não mandou cartinha. Gravou mensagem a la Nelson Gonçalves. Negue que me pertenceu! E eu digo que você foi meu um dia. E mostro a boca molhada, ainda marcada por um beijo seu... Não, não é o Geraldo o candidato do legado. Não vai rolar.

O candidato do golpe, o herdeiro e defensor do legado é o capitão. É a única força viva o suficiente para tentar garantir o show de horrores, exploração e destroçamento do país. É o mais fiel dos fieis. Quando era necessário votar alguma patifaria vendendo a nação ou esfolando a plebe, ali estava o capitão. Quando era necessário barrar processos e investigações, ali estava o capitão. Mais fiel do que o próprio partido de Temer. Nunca negou fogo, para usar a expressão que lhe agrada. Ou fumo, se agora preferir.

O capitão é a mais fiel continuidade daquela votação macabra do impeachment, das patifarias do vampiro, das vontades do império lá de cima. Não por acaso, manchou a bandeira verde-amarela quando vestia farda, mas agora, de pijama e gravata, bate continência para a bandeira americana. Bolsonaro é Temer, Temer é Bolsonaro. Tanto quanto Haddad é Lula, Lula é Haddad. É esse o confronto que se anuncia, ao por do sol. Se os brasileiros querem um Brasil com a cara fechada do Temer ou um Brasil com o sorriso do Lula.

* Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes é professor aposentado, colaborador na pós-graduação em Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. É também coordenador de Difusão do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre Estados Unidos (INCT-Ineu). Seus livros mais recentes são: “O Peso do Estado na Pátria do Mercado – Estados Unidos como país em desenvolvimento” (2014) e “Educação Superior nos Estados Unidos – História e Estrutura” (2015), ambos pela Editora da Unesp.



CNT/MDA: Haddad sobe e empata com Bolsonaro

1 de Outubro de 2018, 7:52, por Feed RSS do(a) News

Fernando Haddad (PT) continua crescendo nas intenções de voto e agora empata tecnicamente com Jair Bolsonaro (PSL) segundo a última pesquisa CNT/MDA, divulgada neste domingo (30). O capitão aparece numericamente à frente, com 28, 2%, e o petista com 25,2%.

A pesquisa foi feita nos dias 27 e 28 de setembro.

Desde o último levantamento, feito no dia 17 de setembro, Bolsonaro continua exatamente com a mesma porcentagem, enquanto Haddad subiu 7,6 pontos percentuais.

Nas projeções de segundo turno, o petista bate o capitão por 42,7% a 37,3%. Na pesquisa anterior o cenário era inverso: Bolsonaro ganhava de Haddad por 39% a 35,7%.

Em 3º lugar também estão empatados tecnicamente o candidato do PDT, Ciro Gomes (9,4%), e o tucano Geraldo Alckmin (7,3%).

Bolsonaro continua liderando os índices de rejeição. Ele aparece com 55,7% e Haddad com 48,3%.

 

 

O post CNT/MDA: Haddad sobe e empata com Bolsonaro apareceu primeiro em Nocaute.



Indústria perde fôlego em setembro diante de disputa comercial na China

1 de Outubro de 2018, 7:52, por Feed RSS do(a) News

Uma pesquisa privada mostrou que o crescimento no setor industrial parou após 15 meses de expansão, com os pedidos de exportação caindo mais rapidamente, enquanto uma pesquisa oficial confirmou mais um enfraquecimento da produção.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

O crescimento do setor industrial da China enfraqueceu em setembro à medida que as demandas interna e externa perderam fôlego, duas pesquisas mostraram neste domingo, elevando a pressão sobre os formuladores de políticas, já que as tarifas norte-americanas estão pressionando a economia chinesa.

O crescimento do setor industrial da China enfraqueceu em setembro

Uma pesquisa privada mostrou que o crescimento no setor industrial parou após 15 meses de expansão, com os pedidos de exportação caindo mais rapidamente, enquanto uma pesquisa oficial confirmou mais um enfraquecimento da produção.

Em conjunto, os indicadores de atividade comercial, as primeiras grandes leituras sobre a economia da China em setembro, confirmam consensos de que a segunda maior economia do mundo continua “esfriando”, o que provavelmente levará os políticos chineses a implementar mais medidas de apoio ao crescimento nos próximos meses.

Algum colchão para a desaceleração da economia pode vir do segmento de serviços, que responde por mais da metade da economia da China. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) não industrial, divulgado pelo Departamento Nacional de Estatísticas neste domingo, mostrou que os serviços expandiram em um ritmo mais rápido em setembro.

Para a manufatura, contudo, o índice oficial caiu para uma mínima de sete meses, a 50,8 em setembro, de 51,3 em agosto e abaixo de uma previsão de uma pesquisa da agência inglesa de notícias Reuters de 51,2.

Mas o PMI do Caixin/Markit caiu mais do que o esperado, de 50,6 em agosto para 50,0. Economistas consultados pela Reuters previam 50,5, em média.

Os dados oficiais abrangem um número muito maior de empresas, enquanto a pesquisa privada se concentra mais nas pequenas e médias empresas, que são vitais para a criação de empregos na China.

As autoridades chinesas prometeram evitar perdas de empregos extensas à medida que os riscos comerciais aumentam.

É provável que a China coloque maiores esperanças em seu setor de serviços, com salários crescentes. O índice oficial do PMI para setembro colocou os serviços em 54,9, o nível mais alto desde junho, de 54,2 em agosto.