Go to the content

Blogoosfero

Full screen

Blogoosfero

April 3, 2011 21:00 , by Unknown - | 2 people following this article.
Licensed under CC (by)

Mais brasileiros deixam o país e fluxo migratório é negativo

December 17, 2018 13:28, by Feed RSS do(a) News

Pois é, esse é o país que estão construíndo. Um Brasil sem brasileiros.

De partida E se a pátria amada precisar da macacada...

Até o início de dezembro 252 mil brasileiros deixaram o país e não retornaram.

E, apesar de todo o sensacionalismo em torno dos imigrantes venezuelanos, apenas 94 mil estrangeiros de diversas nacionalidades passaram a viver no Brasil. Desta forma a população que vive no território daquilo que ainda chamamos de Brasil diminuiu em 158 mil pessoas.

Os dados são do departamento de Imigração da Polícia Federal.

Estes dados só não são mais alarmentes porque EUA e Europa ficam longe pra dedeú destas terras tropicaise os pobres de classe média não tem grana para a debandada, nem disposição para caminhar tanto. Se estivéssemos mais perto do mundo rico a evasão seria bem maior...

Parabéns a todos os envolvidos.



Coletes Amarelos em Portugal: PSP prevê adesão significativa

December 16, 2018 22:07, by Feed RSS do(a) News

A PSP (Polícia de Segurança Pública) suspendeu as folgas aos polícias a 21 de dezembro, dia de manifestações em Portugal do movimento "coletes amarelos", apoiado pela extrema-direita

Brasão de armas da polícia de segurança pública

A PSP prevê manifestações de "dimensão significativa em muitas cidades do país" promovidas pelo "Movimento Coletes Amarelos Portugal", que está a ser apoiado pelo Partido Nacional Renovador (PNR), de extrema-direita.

Segundo avançou ao DN o porta-voz oficial da PSP na próxima segunda-feira estão agendadas reuniões com o promotores para "garantir que tudo correrá bem, com diálogo e responsabilidade". A direção desta força de segurança informou, entretanto, os comandos, para suspender as folgas de todos os polícias no dia 21, data do protesto.

"Vamos ter manifestações de grande dimensão em todo o país e mandam as regras do bom senso ter pessoal operacional", disse à Lusa o porta-voz, intendente Alexandre Coimbra, adiantando que a preocupação neste momento se prende com a dimensão do evento e não com qualquer informação de possível confrontos, mas que é importante a prevenção.

Alexandre Coimbra, confirma que as folgas e os créditos horários dos efetivos da PSP foram suspensos por uma questão de "bom senso", face à marcação dos protestos inspirados no movimento "coletes amarelos" em França, em que manifestações contra o elevados custo de vida e para exigir diminuição dos impostos e do preço da gasolina, entre outras reivindicações, resultaram em violentos confrontos entre manifestantes e polícias no centro de Paris.

A Direção Nacional da PSP garante que as folgas e créditos horários suspensos serão repostos, depois da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) ter alertado para o facto de a reposição das folgas não ser expressamente mencionada no despacho que as suspende.

Na sua diretiva operacional a PSP sublinha que o seu efetivo terá de ter uma especial atenção à segurança das pessoas e bens, mas também garantir que todos os cidadãos podem exercer todos os seus direitos de manifestação.

Fonte: Diário de Notícias, Portugal



Coletes Amarelos em Portugal : 'é uma operação de extrema-direita'

December 16, 2018 21:46, by Feed RSS do(a) News

Francisco Louçã debruçou-se esta sexta-feira, no seu espaço de comentário da SIC Notícias, sobre a imitação do movimento dos Coletes Amarelos em Portugal, marcada para o próximo dia 21.

Francisco Louçã

Francisco Louçã acredita que a imitação do movimentos dos Coletes Amarelos em Portugal esconde um objetivo paralelo, que não o de protesto puro.

Conhecido o recuo do governo francês em relação à taxação dos combustíveis, resultado do movimento Coletes Amarelos, começaram a surgir em Portugal alguns grupos na rede social Facebook com o objetivo de imitar o movimento de protesto. Um deles, ‘Vamos Parar Portugal como Forma de Protesto’, marcado para o próximo dia 21, conta já com 14 mil aderentes na rede social.

O ex-dirigente do Bloco de Esquerda, no seu espaço de comentário da SIC Notícias, abordou o tema, começando pela análise das suas propostas. “Propõem, mais ou menos, tudo e o seu contrário”, indicou.

“Uma subida do salário mínimo em 80%, uma baixa do IVA para os produtos nacionais (não é possível legalmente), uma subida do IVA para a cultura (seria possível, não sei se é muito desejável, creio que não), apoios fiscais aos estrangeiros ricos que venham para Portugal e depois uma ideia muito estranha que é a de haver só quatro deputados por cada região”, enumerou, explicando que Portalegre e Lisboa, por exemplo, ficariam com o mesmo número de deputados, sendo que o primeiro tem 8 mil votos e o segundo entre 200 a 250 mil.

No entender do comentador, este não é, porém, o aspeto mais preocupante do movimento. “Quando olhamos para o detalhe percebemos que há aqui uma coisa que se deve tomar em consideração com muita atenção. A instrumentalização pela extrema-direita, numa óbvia imitação dos processos que preparam o Bolsonaro”, afiançou.

Francisco Louçã relembra a “criação de formas de confrontação e de discursos de ódio” e “a criação de redes significativas de pessoas que ficam associadas no Whatsapp ou em sites do Facebook”. Estas pessoas permitem desenvolver “uma bolsa, um potencial de politização agressiva, nos termos da extrema-direita”, explica.

Para o comentador, não restam dúvidas que “esta operação é uma operação de extrema-direita”. Seguindo a lógica da infiltração nas claques desportivas ou em em alguns corpos especiais do Estado, “este tipo de operação (…) tentaria criar menos uma manifestação e muito mais [a angariação de] centenas de milhares de pessoas que possam ficar associadas [aos grupos de protesto] para durante os próximos meses, até às eleições, serem bem industriadas nestes redes”.

“Funcionou com o Trump, funcionou com o Bolsonaro, funcionou com o Salvini, funcionou em Espanha, veremos como funciona em Portugal”, terminou.

Fonte: Notícias ao Minuto, Portugal



Com menor intensidade, Aeroporto de Guarulhos ainda apresenta atrasos nos voos

December 16, 2018 21:20, by Feed RSS do(a) News

Segundo informações da concessionária, o movimento está maior do que o normal porque as companhias aéreas ainda estão trabalhando para regularizar o serviço.

 

Por Redação – de Campinas, SP

 

Passageiros que estão chegando ao país ou embarcando no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, ainda enfrentam atrasos nos voos. Segundo boletim divulgado pela administradora do aeroporto, a GRU Airport, entre meia-noite e 16h, estavam programados 359 voos, dos quais 181 são chegadas e 178, partidas. Ao todo, havia 67 voos atrasados.

Os passageiros tiveram que exercitar a paciência com tantos atrasos nos voos, em GuarulhosOs passageiros tiveram que exercitar a paciência com tantos atrasos nos voos, em Guarulhos

Segundo informações da concessionária, o movimento está maior do que o normal porque as companhias aéreas ainda estão trabalhando para regularizar o serviço que ficou atrasado por conta das fortes chuvas que atingiram a cidade na última quinta-feira. Conforme explica o GRU Airport, devido aos atrasos de quinta-feira, houve um efeito cascata.

A situação deve ser regularizada pelas companhias em até quatro dias, contados a partir de quinta. A GRU Airport disse ainda que soma-se a isso a demanda de voos para o período de férias e festas de final de ano, que normalmente aumenta o movimento nesta época.



Federais caçam Cesare Battisti para entregá-lo aos fascistas italianos

December 16, 2018 21:20, by Feed RSS do(a) News

Battisti tornou-se procurado pela polícia brasileira e pela Polícia Internacional (Interpol, na sigla em inglês), desde quinta-feira, quando o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou sua prisão.

 

Por Redação, com agências internacionais – de Santos, SP, e Roma

 

Caçado por agentes federais, em todo o país, o escritor italiano Cesare Battisti teria sido visto em Cananeia, no litoral paulista, onde vivia, há duas semanas. Depois disso, não foi mais localizado e, segundo o delegado da Polícia Civil Tedi Wilson de Andrade, responsável pela área, este é o relato mais recente, segundo a polícia confirma.

Grupo parlamentar de extrema direita, o Brasil/Itália pede para Temer extraditar Battisti

Battisti tornou-se procurado pela polícia brasileira e pela Polícia Internacional (Interpol, na sigla em inglês), desde quinta-feira, quando o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou sua prisão e revogou a liminar que impedia a sua extradição para a Itália.

Neofascistas

Em seu país de origem, o vice-premier e ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, reafirmou neste domingo que, se o governo brasileiro convidá-lo para buscar foragido, ele está preparado para viajar.

— Estou falando nesta hora com o presidente brasileiro e por isso me dizem extremista e fascista. Eu e Bolsonaro temos mil defeitos, mas se, nas próximas horas, eu receber um convite para ir e pegar um avião para trazer de volta à Itália um terrorista que está morto na consciência e que não deveria ficar na praia no Brasil, mas na prisão na Itália, eu pegaria o voo — disse o representante do neofascismo italiano.

A declaração foi dada por Salvini à jornalistas na escola de formação política do partido ultranacionalista Liga.

— Se devo reeducar alguém que tem duas sentenças perpétuas, eu faço isso na cadeia — acrescentou.

Situação regular

O ex-militante do Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) foi condenado à prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970. Tratava-se, no entanto, de um tribunal de exceção e o processo correu à revelia do réu. Nesta sexta-feira, o presidente Michel Temer assinou o decreto que determina o envio do estrangeiro de volta para Roma.

Mesmo antes de decretada a extradição do preso político, ele já havia desaparecido do radar.

— O que podemos afirmar com certeza é que há quinze dias, no começo do mês de dezembro, ele foi visto atravessando de balsa, que liga o bairro Porto Cubatão a Cananeia. Um policial o viu e por isso conseguimos confirmar. Na época, a situação dele estava regular, não tinha impedimentos — explica o delegado da Polícia Civil.

Muito boato

Nessa mesma época, segundo um amigo, Battisti disse que iria para o Rio de Janeiro.

— Ele foi (para o Rio de Janeiro) ver o editor e um tradutor pois ele acabou de escrever um livro sobre Cananeia e ele foi ver questões de tradução, aqui em São Paulo estava difícil, e ele foi pra isso — relata.

Diariamente, diversas denúncias sobre o paradeiro de Battisti chegam para a Polícia Civil que, imediatamente, faz diligências no local indicado. Na sexta-feira, moradores de Cananeia disseram para Polícia Civil que haviam visto Battisti na região na terça-feira. A informação, entretanto, não foi confirmada, segundo o delegado.

A decisão de Fux

Em 2007, a Justiça italiana pediu a extradição dele e, no fim de 2009, o STF julgou o pedido procedente; mas deixou a palavra final ao presidente da República. Na época, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou a extradição.

No ano passado, a Itália voltou à carga e pediu que o governo Michel Temer reabrisse o caso. A defesa do italiano, então, pediu ao STF que o governo brasileiro fosse impedido de enviá-lo de volta ao país de origem.

Transferência imediata

Na época, o ministro Luiz Fux aceitou, e concedeu uma liminar que impedia a extradição. Na quinta-feira, contudo, o magistrado voltou atrás da própria decisão reavaliou que o novo presidente teria poderes para extraditar ou não o réu.

Ainda segundo Fux, a Interpol pediu a prisão de Battisti pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro – por conta da suposta tentativa de saída do país com dinheiro não declarado –, o que permitirá o “reexame da conveniência e oportunidade de sua permanência no país”.

Após a decisão de Fux, então, o presidente de facto, Michel Temer, assinou o decreto da extradição do ex-guerrilheiro. Com isso, se for encontrado, Battisti já poderá ser transferido imediatamente para a Itália.



China e Rússia apoiam a Venezuela e geram novo centro de poder mundial

December 16, 2018 21:20, by Feed RSS do(a) News

A questão venezuelana, porém, insere-se em um quadro mais diversos no amplo tabuleiro geopolítico mundial. Na análise do filósofo esloveno Slavoj Žižek, de 69, autodeclarado pós-marxista e sempre polêmico, a questão central não é mais “o velho comunismo, e sim um novo comunitarismo globalista”.

 

Por Redação, com agências internacionais – de Brasília, Caracas, Liubliana, Moscou, Pequim e Washington

 

A tensão na América Latina aumentou, nos últimos dias, com o ingresso direto dos setores de segurança russos e chineses no conflito em curso entre a Venezuela e os Estados Unidos. Enquanto a Rússia já atinge o estágio de enviar armas táticas, a exemplo dos dois bombardeiros com capacidade nuclear, a China amplia o suporte econômico ao governo de Nicolás Maduro (PSUV).

O desenvolvimento da China, em setores estratégicos, é observado de perto em Shenzhen, uma antiga cidade de pescadores que entra no mapa mundial da alta tecnologiaO desenvolvimento da China, em setores estratégicos, é observado em Shenzhen, uma antiga cidade de pescadores que entra no mapa mundial da alta tecnologia

A questão venezuelana, porém, insere-se em um quadro mais diversos no amplo tabuleiro geopolítico mundial. Na análise do filósofo esloveno Slavoj Žižek, de 69, autodeclarado pós-marxista e sempre polêmico, a questão central não é mais “o velho comunismo, e sim um novo comunitarismo globalista”.

— Olhe o que aconteceu na China no último meio século. Houve alguma vez na história da humanidade um desenvolvimento econômico tão explosivo? É impressionante. A figura que anunciou nossa época foi Lee Kuan Yew, o falecido líder de Singapura. Ele criou a fórmula do autoritarismo “com valores asiáticos”. A China demonstra, em nível maciço, que isso funciona — afirmou, em entrevista a um diário conservador espanhol, neste domingo.

Segundo Žižek, a China teve um dos mais espetaculares períodos de crescimento da era modernaSegundo Žižek, a China teve um dos mais espetaculares períodos de crescimento da era moderna

Nova tensão

Ainda segundo Žižek, “o capitalismo chinês é o capitalismo sob o domínio de um partido autoritário”.

— É uma nova combinação de capitalismo mundial em que o país participa do mercado global, mas ideologicamente funciona para dentro de uma maneira patriótica, etnocêntrica — acrescenta.

Parte da escalada no confronto entre EUA e Venezuela, ainda segundo Žižek, consiste no fato de a China passar a ser “o paradigma da nova tensão”.

— Como está há décadas sem experimentar seu armamento sobre o terreno, diferentemente dos EUA, precisa testá-lo, e a melhor forma de fazer isso é com uma guerra. É a situação mais perigosa — acredita.

Conflito armado

De forma inexorável, um possível conflito entre os norte-americanos e o regime de Caracas passará pelas fronteiras brasileiras, segundo análise da maioria dos teóricos ouvidos pela reportagem do Correio do Brasil. Ainda neste domingo, o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou pelas redes sociais que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, não foi convidado para a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, marcada para 1º de janeiro.

“Em respeito ao povo venezuelano, não convidamos Nicolás Maduro para a posse do PR Bolsonaro. Não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira. Todos os países do mundo devem deixar de apoiá-lo e unir-se para libertar a Venezuela”, publicou no Twitter.

A decisão fez aumentar a tensão entre os vizinhos, uma vez que Maduro denunciou, na quarta-feira, o envolvimento do Brasil em um plano de desestabilização da sociedade venezuelana, por parte dos EUA.

Governo legítimo

O diplomata Ernesto Araújo tensiona, ainda mais, o já delicado equilíbrio do subcontinente com um artigo em que contesta o que chama de “eixo globalista China-Europa-esquerda (norte-)americana”.

No texto, ele propõe um giro de 180 graus na política externa brasileira, que teria forte impacto na geopolítica e na economia internacional: abandono da política pacifista, alinhamento automático com os Estados Unidos, ataque à China, que seria, segundo esta lógica, excluída do BRICS e ofensiva para derrubar o governo legítimo e constitucional de Nicolás Maduro.

Em seu discurso, Maduro tem se referido aos desafios “econômicos” que a Venezuela vive devido à “guerra imposta por países imperiais” e valorizou o apoio de China para solucioná-los. Em recente encontro com o presidente chinês Xi Jinping, o líder venezuelano agradeceu à China por sua compreensão e seu apoio de longo prazo.

Invasão militar

Xi disse a Maduro que os dois países deveriam promover uma cooperação mutuamente benéfica para levar as relações a um novo patamar, e que deveriam consolidar a confiança política mútua.

Ao longo da última década, a China injetou mais de US$ 50 bilhões na economia venezuelana, por meio de acordos de petróleo em troca de empréstimos que ajudaram Pequim a garantir suprimentos de energia para sua economia de crescimento rápido; ao mesmo tempo em que fortalecia um aliado anti-EUA na América Latina.

A opção militar para a resolução da crise na Venezuela, no entanto, segue sobre a mesa ou ao menos na cabeça do presidente dos EUA, Donald Trump. Segundo a agência norte-americana de notícias Associated Press (AP) informou neste verão que o presidente Donald Trump teria discutido a invasão militar da Venezuela durante um encontro na Casa Branca, no ano passado.

Granada

Para reforçar seus argumentos, Trump lembrou as intervenções militares de Granada e Panamá que, segundo ele, foram um sucesso. Outras vozes nos EUA também se mostraram a favor de usar a força militar. Em particular, como sublinha o site especializado Business Insider, no fim de agosto deste ano, o senador republicano da Flórida Marco Rubio, assessor para assuntos da América Latina e próximo a Trump, afirmou que a Venezuela virou uma força desestabilizadora na região.

Há, no entanto, outras opiniões. Mesmo que a crise na Venezuela justifique fazer pressão para alcançar mudanças políticas, “uma intervenção militar não é a maneira de fazê-lo”, acredita Shannon O’Neil, pesquisador sênior especializado nos assuntos da América Latina do Council on Foreign Relations.

O analista sublinha que a Venezuela não é Granada e, menos ainda, o Panamá, “países que foram invadidos pelos EUA nos últimos dias da Guerra Fria”. Segundo O’Neil, uma invasão militar da Venezuela seria semelhante em escala à do Iraque, um país duas vezes menor que a Venezuela, com uma população um pouco maior. Sem ter em conta que, segundo as pesquisas, as tropas americanas não seriam recebidas de braços abertos no país latino-americano.



Raquel Varela: A França, isso é uma revolução?

December 10, 2018 12:50, by Feed RSS do(a) News

Raquel varela blog

Vou contar-vos as coisas magnificas que aconteceram em França nestes dias. Extraordinárias. Polícias que retiraram capacetes e cantaram com os manifestantes a Marselhesa; bombeiros que numa homenagem em frente à prefeitura viraram as costas aos políticos vestidos com cores da França e abandonaram a homenagem; manifestantes de extrema-direita expulsos das manifestações por coletes amarelos; portagens ocupadas pelos manifestantes que impedem que se cobre passagem; há sindicatos da polícia que aderiram já à manifestação de amanhã, e sindicatos ferroviários que decidiram não cobrar bilhete aos manifestante que se dirigem amanhã a Paris. Greves e assembleias gerias de estudantes. As centrais sindicais do status quo pedem recuo nos protestos, mas representam no total menos de 7% dos trabalhadores franceses. A França vive uma revolta – não sei se é uma revolução, mas não é um movimento social como outros. É, na minha opinião, a primeira batalha perdida pelo neoliberalismo, depois da sua grande vitória, marcada pela derrota dos mineiros nos anos 80 por Margaret Thatcher. Um novo processo histórico nasceu este mês na França. Tudo pode acontecer – a história acelera agora a uma velocidade que nos parece estonteante. Em 3 dias Macron recuou 2 vezes, não é certo que o seu mandato sobreviva. O movimento já está na Bélgica.

Vi com encolher de ombros a facilidade com que tantos aqui acreditaram que era a extrema-direita a dirigir aquele que já é o maior movimento europeu contra o neoliberalismo.

Continua a espantar-me a facilidade com que acreditamos no senso comum, a credulidade, a ausência de sentido critico. Mas alguém imagina que a extrema-direita tem de perto ou longe alguma organização para dirigir milhões de pessoas nas ruas há 3 semanas? Não, as pessoas acreditam porque querem acreditar. Desta vez não é necessário um aguçado sentido critico, bastava ler o Le Monde, o El País e ver a Euronews para perceber o susto na cara de Le Pen nos últimos dias, o pânico na face de Macron e a situação de crise no poder do Estado. E, sobretudo, o esforço que Macron fez para que Le Pen apareça como responsável e líder de um movimento. Ora, a esquerda aderiu ao Movimento formalmente, e há vários relatos da extrema-direita expulsa das manifestações. Também há de centrais sindicais amarelas – o que a meu ver é errado. O fascismo não pode ter espaço algum, porque é inimigo das liberdades, o reformismo, por pior que seja, deve ter liberdade de manifestação. A cólera do Movimento dirige-se contra as prefeituras, centenas foram atacadas e uma totalmente queimada. A crise dos partidos tradicionais é total, a separação entre representantes e representados de massas. Macron lembrou-se finalmente que foi eleito com menos de 25% dos votos dos franceses. Quantas vezes temos insistido que força eleitoral não é representação social, António Costa e Geringonça?

A França está a viver uma situação inédita desde o Maio de 68. São trabalhadores, professores e cientistas, reformados e no activo, ferroviários e estudantes, sectores médios proletarizados em massa. O centro da luta é a chamada Diagonal do Vazio, uma área geográfica de pequenas e médias cidades que vai do nordeste ao sudoeste do país. Nevers foi o epicentro. Nestas cidades os manifestantes – todos senhores e senhoras, como poderão ver pelas reportagens, envergando o seu colete amarelo – explicam que têm que usar o carro, idosos, para ir às compras a 10 km de distância porque o grande comércio destruiu as mercearias – conta o El País; o saque das pequenas lojas é mínimo, a maioria das lojas destruídas são as de alta costura e os grandes armazéns – diz o Le Monde. A revolta começou contra os impostos, estão “fartos” de em nome da “economia dita verde” pagarem para serem cada vez mais excluídos, do acesso à cidade também; uma senhora conta que chega ao fim do mês com 70 euros; outro que “não tolera viver num país onde o PM veste um fato de 45 mil euros, 3 salários anuais de um operário”; um engenheiro não sabe se “metade dos manifestantes concorda com a outra metade” mas não vai “sair da rua” até que as coisas mudem. A pressão fiscal em França já é mais de 45%. Querem emprego e não o rendimento mínimo. Não são contra a imigração mas defendem que a solução está nos países de origem e que as políticas dos países ricos têm que mudar radicalmente.

Não gosto de violência. Nem de vandalismo ou destruição. Nunca mostrei simpatia pelos jovens desempregados ou sub empregados da periferia que vêm para a rua partir carros em França e Inglaterra. Ao contrário da direita, acho que eles não nasceram vândalos, acho que são animalizados pela exclusão social que a direita promove. Ao contrário de uma parte da esquerda organizada não acho que eles sejam uma esperança, nem uma forma de resistência – só vejo no vandalismo desespero e desistência. Sei também que a violência é mínima, a maioria, larga maioria, dos bairros pobres tem gente que com um esforço incrível vive do trabalho mais mal pago, e não desiste de viver. São os milhares de jovens que trabalham no comércio, construção civil, a vida deles não é partir, mas trabalhar por quase nada. Tenho muitas dúvidas sobre se os “partidores” pertencem à classe trabalhadora – sei que são filhos dela, não sei se não estão mais próximo do lumpen-proletariado. Misturar estes fenómenos, recorrentes na Europa, e minoritários, com o Movimento dos Coletes Amarelos é confundir uma tosta mista com um banquete em Versalhes.

Macron está a caminho de sair mal entrou não porque houve pancadaria no Arco do Triunfo, mas porque os coletes amarelos pararam a circulação de mercadorias há 3 semanas questionando a autoridade do Estado, que não os conseguiu impedir. E viram costas às autoridades políticas locais. O Movimento conta com o apoio oficial de 60% dos franceses.

Sabem que mais? Estou tão feliz estes dias. Ando há anos ouvir falar da “aristocracia” operária europeia e da esperança na periferia do mundo, qualquer movimento camponês com 200 pessoas pessoas na Ásia é mais aplaudido pela esquerda do que uma greve de médicos na Alemanha, logo apelidados de “privilegiados”. Foi por isso que escrevi um livro de História da Europa, que lembrasse o passado de resistência na Europa, a importância dos sectores médios, a centralidade da produção de valor nos países centrais, a tradição de consciência de classe na Europa – superior a qualquer parte do mundo – os trabalhadores na Europa, sem os quais não haverá solução civilizada no mundo. Passámos de um eurocentrismo para ujm periferocentrismo absurdo. Agora…sorte, sorte, sorte mesmo, porque tal precisão temporal não pode ser atribuída à previsão cientifica, é que o meu livro Um Povo na Revolução foi publicado em França justamente este mês. Eles não fazem ideia, os coletes amarelos, como esse pedaço de coincidência irrelevante para a história da humanidade me divertiu. Vou ceder no meu gosto por roupa bonita e vestir o tal do colete amarelo amanhã.

Não sei se é uma revolução. Pode ser. Ou não. Se não for, será adiada mas não evitada. Se estão com medo do mundo do trabalho, não imaginam que a ele devemos tudo o que de mais civilizado possuímos. Não olhem para o Arco do Triunfo em chamas, essas imagens de caos, mas para o triunfo da defesa organizada da cidade humanizada, do emprego com direitos, de um mundo justo, sem impérios e brutalidade social. Os coletes amarelos são isso, quanto mais apoio tiverem de pessoas que acreditam na vida civilizada mais serão ainda parte da solução.

Fonte: https://raquelcardeiravarela.wordpress.com/2018/12/07/a-franca-isto-e-uma-revolucao/



Hoje ela completa 70 anos, mas nunca esteve tão ameaçada!

December 10, 2018 11:59, by Feed RSS do(a) News

A Declaração Universal dos Direitos Humanos completa em 10 de dezembro de 2018 70 anos. Exceto o direito a propriedade todos os demais direitos estão ameaçados pela truculência do capital e pela ignorância dos humanos.

Pt 70 years udhr logo pt horizontal 1024x289

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Adotada e proclamada pela Assembléia Geral das Nações Unidas (resolução 217 A III) em 10 de dezembro 1948.

Preâmbulo

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo,

Considerando que o desprezo e o desrespeito pelos direitos humanos resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da humanidade e que o advento de um mundo em que mulheres e homens gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do ser humano comum,

Considerando ser essencial que os direitos humanos sejam protegidos pelo império da lei, para que o ser humano não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, sua fé nos direitos fundamentais do ser humano, na dignidade e no valor da pessoa humana e na igualdade de direitos do homem e da mulher e que decidiram promover o progresso social e melhores condições de vida em uma liberdade mais ampla,

Considerando que os Países-Membros se comprometeram a promover, em cooperação com as Nações Unidas, o respeito universal aos direitos e liberdades fundamentais do ser humano e a observância desses direitos e liberdades,

Considerando que uma compreensão comum desses direitos e liberdades é da mais alta importância para o pleno cumprimento desse compromisso,

Agora portanto a Assembléia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade tendo sempre em mente esta Declaração, esforce-se, por meio do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos, tanto entre os povos dos próprios Países-Membros quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.

Artigo 1
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Artigo 2
1. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania.

Artigo 3
Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo 4
Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

Artigo 5
Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo 6
Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa perante a lei.

Artigo 7
Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Artigo 8
Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Artigo 9
Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo 10
Todo ser humano tem direito, em plena igualdade, a uma justa e pública audiência por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir seus direitos e deveres ou fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.

Artigo 11
1.Todo ser humano acusado de um ato delituoso tem o direito de ser presumido inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.

2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Também não será imposta pena mais forte de que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.

Artigo 12
Ninguém será sujeito à interferência na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataque à sua honra e reputação. Todo ser humano tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.

Artigo 13
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.

2. Todo ser humano tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio e a esse regressar.

Artigo 14
1. Todo ser humano, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros países.

2. Esse direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos objetivos e princípios das Nações Unidas.

Artigo 15
1. Todo ser humano tem direito a uma nacionalidade.
2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.

Artigo 16
1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução.

2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos nubentes.
3. A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção da sociedade e do Estado.

Artigo 17
1. Todo ser humano tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.

2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Artigo 18
Todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; esse direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença pelo ensino, pela prática, pelo culto em público ou em particular.

Artigo 19
Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Artigo 20
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de reunião e associação pacífica.

2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo 21
1. Todo ser humano tem o direito de tomar parte no governo de seu país diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos.

2. Todo ser humano tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.
3. A vontade do povo será a base da autoridade do governo; essa vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo equivalente que assegure a liberdade de voto.

Artigo 22
Todo ser humano, como membro da sociedade, tem direito à segurança social, à realização pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da sua personalidade.

Artigo 23
1. Todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.

2. Todo ser humano, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.
3. Todo ser humano que trabalha tem direito a uma remuneração justa e satisfatória que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.
4. Todo ser humano tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para proteção de seus interesses.

Artigo 24
Todo ser humano tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas.

Artigo 25
1. Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde, bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis e direito à segurança em caso de desemprego, doença invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.

2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.

Artigo 26
1. Todo ser humano tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.

2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos do ser humano e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.
3. Os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos.

Artigo 27
1. Todo ser humano tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do progresso científico e de seus benefícios.

2. Todo ser humano tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica literária ou artística da qual seja autor.

Artigo 28
Todo ser humano tem direito a uma ordem social e internacional em que os direitos e liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente realizados.

Artigo 29
1. Todo ser humano tem deveres para com a comunidade, na qual o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.

2. No exercício de seus direitos e liberdades, todo ser humano estará sujeito apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outrem e de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.
3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos objetivos e princípios das Nações Unidas.

Artigo 30
Nenhuma disposição da presente Declaração poder ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.

Fonte: https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10133.html



Protestos dos ‘coletes amarelos’ deixam manifestantes feridos na França

December 8, 2018 20:26, by Feed RSS do(a) News

Esses protestos começaram contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis, já cancelado, e se ampliaram contra a perda do poder aquisitivo, com reivindicações pela renúncia do presidente francês, Emmanuel Macron.

Por Redação, com EFE – de Paris

Pelo menos 30 pessoas ficaram feridas neste sábado nos protestos do movimento dos “coletes amarelos” em Paris, onde as forças da ordem detiveram até agora mais de 600 manifestantes, dos quais a maior parte ficou sob custódia em delegacias.

Protestos dos “coletes amarelos” deixam 30 feridos e 615 detidos em Paris

Um porta-voz da polícia da capital francesa afirmou à agência EFE que, do total de 30 feridos, três são agentes.

Até 15h30 (horário local, 12h30 de Brasília) tinham sido contabilizadas 615 pessoas detidas, das quais 508 seguem sob custódia da polícia, indicou a fonte.

Nesse momento, os principais pontos de confronto entre as forças da ordem e os manifestantes estão em torno da Champs-Élysées, como na avenida Marceau e na rua Courcelles, onde vários carros foram incendiados e foram erguidas barricadas.

Segundo dados divulgados ao meio-dia pelo secretário de Estado de Interior francês, Laurent Núñez, a convocação dos “coletes amarelos” tinha reunido 31 mil pessoas em toda França, 8 mil delas em Paris.

Esses protestos começaram contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis, já cancelado, e se ampliaram contra a perda do poder aquisitivo, com reivindicações pela renúncia do presidente francês, Emmanuel Macron.



Bolsonaro e os três filhos multiplicaram a fortuna em tempo recorde

December 8, 2018 20:26, by Feed RSS do(a) News

Aos 63 anos, o líder do clã Bolsonaro declarou um crescimento na fortuna pessoal em uma década, segundo declaração de bens apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na ordem de 168%, a contar de 2006, quando ocupava uma vaga na Câmara Federal. Seu filho Eduardo, hoje deputado, ficou 432% mais rico em apenas quatro anos.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

Presidente da República eleito, o capitão da reserva Jair Bolsonaro (PSL) e seus três filhos, o senador Flávio (PSL-RJ), de 37 anos, o vereador Carlos, 36, e o deputado federal Eduardo, 34, tiveram uma sequência próspera nos últimos anos, a ponto de ampliar os bens em escalas muito acima da evolução patrimonial da quase totalidade dos brasileiros. Uma série de denúncias, nos últimos dias, no entanto, colocam em risco o bordão de campanha usado pela família de políticos fluminenses, de luta contra a corrupção.

BolsonaroO presidente eleito Jair Bolsonaro deve anunciar na próxima semana novos nomes para o ministério

Aos 63 anos, o líder do clã Bolsonaro declarou um crescimento na fortuna pessoal em uma década, segundo declaração de bens apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na ordem de 168%, a contar de 2006, quando ocupava uma vaga na Câmara Federal. Seu filho Eduardo, hoje deputado, ficou 432% mais rico em apenas quatro anos. E Flávio, eleito senador, multiplicou em 55% o seu patrimônio, desde 2010.

Relatório do Coaf

Embora não tenham esclarecido aos eleitores o caminho percorrido para tamanho sucesso, os três, à exceção de Carlos, que chega agora ao primeiro mandato, disseram a jornalistas que aplicaram no mercado imobiliário, com a compra e venda de casas e apartamentos.

Jair Bolsonaro e seus três filhos: Eduardo (E), Flávio e CarlosJair Bolsonaro e seus três filhos: Eduardo (E), Flávio e Carlos

Bolsonaro e seus três filhos declaram a propriedade de 13 imóveis. A preço de mercado de cerca de R$ 15 milhões, a maioria dos imóveis estão situados em pontos altamente valorizados do Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca. Apesar de inconsistências entre os valores pagos, efetivamente, e aqueles registrados em cartório, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) levanta dúvidas quanto à origem dos lucros.

Flávio Bolsonaro, quem teve maior crescimento patrimonial nos últimos anos, é citado em relatório do Coaf por seu relacionamento com o sargento PM Fabrício Queiroz, sobre as movimentações financeiras entre contas dele e da filha, Nathalia Melo de Queiroz.

Capital seguro

O ex-assessor é pessoa muito próxima à família Bolsonaro, há mais de 12 anos. Ele é citado no documento do Coaf por movimentar, em um ano, R$ 1,2 milhão, sem renda ou patrimônio compatíveis. Entre as pessoas que receberam recursos de Queiroz também está a primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ela descontou um cheque de R$ 24 mil que lhe foi destinado pelo motorista do enteado.

Após 36 horas, desde que o escândalo foi divulgado na mídia conservadora, Bolsonaro explica que os recursos depositados na conta da mulher provinham de um empréstimo de R$ 40 mil a Queiroz, pagos em 10 cheque de R$ 4 mil. Nas redes sociais, porém, “ficou pior a emenda do que o soneto”, opinam internautas.

De posse de um capital seguro, Flávio passou a negociar no mercado imobiliário e, ao longo dos últimos 13 anos, obteve ganhos com 19 imóveis. No patrimônio dos Bolsonaro estão incluídos, ainda, carros que vão de R$ 45 mil a R$ 105 mil, um jet-ski e aplicações financeiras, no total de cerca de R$ 1,7 milhão, de acordo com a Justiça Eleitoral e cartórios do Estado do Rio.

Casa na Barra

Em seu primeiro mandato, no ano de 1988, Bolsonaro declarou às autoridades somente um Fiat Panorama, uma moto de baixa cilindrada e dois lotes de pequeno valor em Resende, no interior do Estado do Rio. Ao todo, o patrimônio da família não passava de R$ 10 mil, em cifras atualizadas. Nem ele ou qualquer de seus filhos, há 30 anos, têm outra ocupação a não ser o exercícios dos respectivos mandatos.

Com duas ex-mulheres e a atual, destinatária dos R$ 24 mil reais depositados por Queiroz, em sua conta pessoal, Bolsonaro teve, ao todo, cinco filhos, entre eles duas mulheres. Os homens, a exemplo do pai, tiveram um enriquecimento acelerado.

Além de responder às questões levantadas na investigação do Coaf e da Polícia Federal, na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), casa de Flávio Bolsonaro até janeiro do ano que vem, a família também precisará responder sobre operações financeiras que resultaram na compra da casa em que Bolsonaro vive, atualmente, na Barra da Tijuca.

Negócio suspeito

Pesam indícios de uma operação suspeita de lavagem de dinheiro, segundo os critérios do Coaf (Ministério da Fazenda) e do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci), nos processos em curso na Justiça fluminense. A empresa Comunicativa-2003 Eventos, Promoções e Participações adquiriu a casa em setembro de 2008 por R$ 580 mil. Diretora da empresa, Marta Xavier Maia disse a jornalistas que comprou o imóvel em péssimo estado, reformou-o e vendeu-o para o deputado quatro meses depois, com redução de 31%. Ela esclarece que decidiu ter prejuízo porque precisava dos recursos para adquirir outro imóvel.

O Cofeci, contudo, aponta “sérios indícios” de lavagem de dinheiro na operação na qual há “aparente aumento ou diminuição injustificada do valor do imóvel” e “cujo valor em contrato se mostre divergente da base de cálculo do ITBI”, imposto pago à prefeitura do Rio. Desde 2014, operações do tipo devem ser comunicadas ao Coaf – a unidade que detecta operações irregulares no sistema financeiro.