Ir al contenido

Blogoosfero

Full screen

Blogoosfero

abril 3, 2011 21:00 , por Desconocido - | 2 people following this article.
Licensed under CC (by)

Centro-esquerda brasileira comparece em peso à refundação do Ibep

febrero 12, 2019 13:20, por Feed RSS do(a) News

Em seu discurso de abertura, o senador Roberto Saturnino Braga chegou a se emocionar, diante do quadro de dificuldades porque passam os movimentos progressistas.

 

Por Gilberto de Souza – do Rio de Janeiro

Um encontro com mais de 150 pessoas identificadas com a centro-esquerda brasileira, na noite de terça-feira, em um auditório no bairro carioca de Botafogo, Zona Sul do Rio, reuniu no mesmo espaço o ex-candidato à Presidência da República Guilherme Boulos (PSOL) e a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB); além de representantes do PT e do PDT, entre as demais legendas progressistas. Foi o momento preciso para que o ex-senador Roberto Saturnino Braga e o ex-ministro de Ciências e Tecnologia Roberto Amaral lançassem o desafio de retomar o Instituto Brasileiro de Estudos Políticos (Ibep) e, com ele, a prerrogativa de reordenar o pensamento político nacional.

Guilherme Boulos (PSOL) discursa após a fala do ex-ministro Amaral (E), antecedido por Saturnino BragaGuilherme Boulos (PSOL) discursa após a fala do ex-ministro Amaral (E), antecedido por Saturnino Braga

A instituição, uma iniciativa deflagrada em 2013, na iniciativa do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, do jornalista Mauro Santayana e de intelectuais como Samuel Pinheiro Guimarães, Ceci Juruá, Gizlene Nader, Saturnino Braga, Eny Moreira, Pedro Celestino, Renato Guimarães, Otávio Velho e Carlos Lessa, entre tantos outros, encaminhou-se ao ostracismo, ao longo dos anos. Segundo o jornalista Roberto Amaral, que retoma agora a tarefa de repensar os rumos dos movimentos progressistas, no país, o país vive um momento singular. E perigoso.

Pensamento nacional

Em seu discurso de abertura, o também ex-prefeito do Rio Saturnino Braga chegou a se emocionar, diante do quadro de dificuldades porque passam os movimentos progressistas, após as forças da extrema direita conquistarem o governo e, ainda mais grave, parcela significativa do pensamento nacional.

— Estamos aqui recriando um instituto que teve uma vida muito fértil e diante dessa perspectiva exigente estamos mais uma vez mobilizados e mobilizando os companheiros diante desse vendaval a que todos nós fomos submetidos. Quando criança, no colégio, aprendi que o Brasil não tinha terremoto, maremoto e, de repente, estamos nós submetidos a um terremoto político, a um vendaval que, confesso, eu não esperava — afirmou.

Frente ampla

Saturnino Braga atribui a vitória do presidente Jair Bolsonaro a uma trama internacional, com apoio dos setores mais retrógrados do capitalismo norte-americano, engendrada “há muito tempo”.

— É claro que existem os Moros, todos esses artífices brasileiros, que são títeres. Vergonhosamente, títeres. E sem-vergonhamente títeres, porque toda essa movimentação vem do fato de o Brasil ter assumido uma posição efetiva, real, de país sério, respeitado, de potência da paz e não podia, evidentemente, continuar nesse percurso. Tinha que ser submetido a uma lição. Essa é a verdade — afirmou.

Com linhas mestras definidas para o resgate da soberania do país e do retorno “ao chão de fábrica”, afirmou Amaral, o novo Ibep propõe um novo entendimento sobre a comunicação popular, uma vez superados os erros do passado recente e renovados os ânimos para que o país possa retomar o rumo, interrompido por um regime neofascista.

— A grande lição que o Ibep pretende, que não está ao seu alcance realizar mas, simplesmente, propor, é a construção de uma grande frente nacional em defesa do país. Essa frente compreende os partidos de esquerda, que devem ser o seu núcleo. Mas ela não pode restringir, não pode ser uma frente de esquerda. Precisa ser uma frente ampla e democrática, na qual devam caber todos aqueles que se opõem ao regime que aí está — conclui.

Gilberto de Souza é editor-chefe do Correio do Brasil.



Horário de verão termina no próximo final de semana!

febrero 11, 2019 22:46, por Feed RSS do(a) News

Na virada do sábado (16/02) para domingo (17/02) atrase seu relógio em uma hora e comemore:

Horariodeverão19

Acabou o horário de verão 2019!

E aproveite para:

Dormir uma hora a mais!

Farrear uma hora a mais!

Estudar uma hora a mais!

Transar uma hora a mais!

Beber uma hora a mais!

Dançar uma hora a mais!

Enfim, fazer o que quiser com a hora que terás de volta depois de 6 meses!

 



Reflexão necessária em tempos de barragens rompidas

febrero 9, 2019 21:03, por Feed RSS do(a) News

A onda de destruição que se abate sobre o país, com a força do rompimento de uma barragem de rejeitos do pensamento mais tosco e rasteiro de que se tem notícia, em décadas de exercício democrático, haverá de encontrar o remanso do pensamento lógico.

 

Por Gilberto de Souza – do Rio de Janeiro

Para compreender o resultado das últimas eleições, torna-se necessário seguir até razão inicial para a maioria dos brasileiros determinar, de vontade própria, no voto, o fim da Petrobras, dos direitos trabalhistas, dos incentivos à Educação; a desmoralização do SUS, o desmonte dos movimentos sociais, dos sindicatos, de uma estrutura social pela qual heróis morreram para construí-la.

Desde a Grécia Antiga, o pensamento humano segue adiante para garantir a sobrevivência da raça humanaDesde a Grécia Antiga, o pensamento humano segue adiante para garantir a sobrevivência da raça humana

Ao longo de toda a História brasileira – da Humanidade, para se chegar ao início de tudo –, foi transmitida de geração em geração a mensagem que não existe almoço grátis e, no final das contas, é cada um por si e um determinado Deus acima de todos. No máximo, apesar das defecções, muitos seres humanos contam apenas com os círculos mais próximos da família para sobreviver, em um mundo eternamente caótico; no qual vale tudo para angariar o máximo possível de coisas que tenham valor monetário e possam ser vendidos para matar a fome, vestir-se no frio e garantir um teto sobre a cabeça; com todos os matizes de sofisticação permitidos pela vaidade, o egoísmo e a capacidade humana para inventar tais dispositivos.

Solidariedade, cidadania, sentimento de classe, companheirismo e parcerias para vencer obstáculos comuns; disseminação ampla e gratuita do Saber, bem estar social e o cumprimento das responsabilidades com o meio ambiente, com o próximo; estes são valores antagônicos ao entendimento, por exemplo, de que a floresta e os índios atrapalham a mineração. Ou de que o curso da faculdade serve para formar mão de obra destinada às empresas, no lugar de abrir uma janela para o Conhecimento e elevar a condição humana. Trata-se de visões diametralmente antagônicas.

Fascismo

A evolução – ainda que muitos dos eleitores do novo regime prefiram acreditar em Adão e Eva na origem da raça humana, comendo goiaba, digo, maçã, em uma Terra plana – tem demonstrado, ao longo de todos esses milênios de existência, que o caminho mais racional é o da comunhão entre as diversas formas humanas, sem importar a cor da pele ou dos olhos; o formato do rosto ou no que e em quem cada criatura prefere acreditar. A busca natural sempre foi pela a sobrevivência da espécie acima do indivíduo, por mais que insistam em fulanizar a História.

Na eterna busca por um equilíbrio cósmico, no entanto, avança no momento a horda daqueles que precificam valores intangíveis. Parecem prosperar sem nenhuma resistência dos homens e mulheres que sempre lutaram por uma sociedade mais justa, equânime e igualitária.

A onda de destruição que se abate sobre o país, com a força do rompimento de uma barragem de rejeitos do pensamento mais tosco e rasteiro de que se tem notícia, em décadas de exercício democrático, haverá de encontrar o remanso do pensamento lógico e regressar, submissa à força do desenvolvimento evolucionário humano, às profundezas onde habitam ainda o racismo, a homofobia, o ódio pelos professores e toda a estupidez fascista que, de tempos em tempos, insiste em ameaçar este planeta.

Gilberto de Souza é jornalista, editor-chefe do Correio do Brasil.



Berlim abriu com filme de amor, esperança e gentileza

febrero 9, 2019 9:47, por Feed RSS do(a) News

Gentileza e boas intenções podem ser a história de um filme, mas nada têm a ver com a realidade da vida numa cidade como Nova Iorque, por isso, foi um tanto incompreensível a abertura do Festival de Berlim com  o filme da dinamarquesa Nora Scherlig.

Por Rui Martins, de Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema:

Berlim começa com um romantismo otimista mas irreal

The Kindness of Strangers ou a Gentileza dos Estranhos, a história de uma jovem mãe com dois filhos não chega sequer a ser uma fábula sobre o milagre da autoajuda numa grande cidade, contando com uma mulher pode romper o casamento, justamente com um policial capaz de localizá-la, e sobreviver utilizando-se de pequenos furtos.

Nora Scherlig reconhece que seus personagens estão longe de qualquer intenção política, mostrando que, desde seu ponto de partida, seu filme estaria  mais próximo de um conto de fadas, irreal e desnecessário, um tanto distante dos filmes exibidos em Berlim, mesmo se sua intenção era contar histórias de diversas pessoas em crise, ajudados por bons samaritanos.

A sinopse do filme deixa os espectadores realistas decepcionados – ¨com um olhar aguçado, Lone Scherfig explora o comportamento humano em condições extremas. Ela retrata a dureza da vida na selva urbana, mas também demonstra o que pode crescer quando estranhos se aproximam em amizade e com o coração aberto¨. Poderíamos acrescentar – de boas intenções o inferno anda cheio.

Rui Martins está em Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema.



Lula corre risco de ser transferido para um presídio de segurança duvidosa

febrero 9, 2019 9:47, por Feed RSS do(a) News

Assim que o tribunal em primeira instância aplicou a pena de 12 anos e 11 meses ao ex-presidente, a Polícia Federal levantou dúvidas quanto à permanência dele em Curitiba.

 

Por Redação – de Curitiba e São Paulo

 

Após a segunda condenação e uma pena acumulada superior a 25 anos, cresce entre os defensores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) o receio de que ele morra na prisão; principalmente se for transferido da Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, para um presídio federal. Lula está preso desde abril do ano passado.

Lula tem sido deixado de lado por importantes setores do PT e deverá enfrentar novas condenações ao longo dos próximos anosLula tem sido deixado de lado por importantes setores do PT e deverá enfrentar novas condenações ao longo dos próximos anos

No momento em que o tribunal em primeira instância aplicou a pena de 12 anos e 11 meses ao ex-presidente, o atual superintendente da PF no Paraná, Luciano Flores de Lima, levantou dúvidas quanto à permanência do preso nas dependências da PF.

— A polícia judiciária não foi feita para cuidar de preso. Presos têm que estar em penitenciárias ou casas de detenção provisória — avisou Lima.

Seis processos

O ex-presidente Lula foi condenado em duas ações até agora: a do tríplex e a do sítio de Atibaia, nesta quarta-feira, por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Se as penas forem mantidas nas segunda e terceira instâncias, o ex-presidente somente teria direito de progredir para o regime semiaberto após quatro anos. Depois de passar ao semiaberto, ainda precisaria cumprir mais um sexto da pena restante para migrar ao regime aberto.

Lula, porém, ainda é réu em outros seis processos, que podem resultar em novas condenações, logo, aumentar o tempo para a progressão de regime. Por enquanto, a PF não pretende pedir novamente à Justiça sua transferência para outro local, segundo Flores. Tais pedidos já foram feitos no passado, logo após a prisão de Lula, e negados pela juíza Carolina Lebbos. Na época, a PF estimou que os gastos com a custódia do ex-presidente poderiam chegar a R$ 300 mil mensais.

Na cela onde habita, Lula tem tem uma cama de alvenaria, mesa, uma televisão pequena e um banheiro com chuveiro e vaso sanitário, na entrada da galeria onde estão os demais presos da Operação Lava Jato. O local era um dormitório que servia de local de descanso aos agentes penitenciários.

No Supremo

O líder petista completou 73 anos em outubro do ano passado e o fato de ter mais de 70 anos, porém, não faz diferença para a progressão de regime.

— A idade entra como atenuante da pena na sentença. Mas, para progressão de regime, funciona igual aos outros afirmou a jornalistas o advogado Gustavo Polido, especialista em direito penal.

Lula ainda tem chance de progredir de regime nos tribunais superiores. Em março, o Supremo Tribunal Federal (STF) retomará o julgamento da prisão após segunda instância; e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) analisa recurso da defesa contra a condenação no caso do tríplex.



Gilmar Mendes entra na alça de mira do ministro Sérgio Moro e da Receita Federal

febrero 9, 2019 9:47, por Feed RSS do(a) News

Integrante da extrema direita e defensor de primeira hora do golpe jurídico-midiático-parlamentar contra a presidente Dilma Roussef (PT), há três anos, Mendes consta como suspeito de corrupção.

 

Por Redação – de Brasília

 

Desafeto declarado do ministro da Justiça e Segurança Pública, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes está agora na alça de mira da Receita Federal (RF). Em conjunto com a Polícia Federal (PF), os auditores da Receita tentam identificar “focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência” de Mendes e da mulher dele, Guiomar.

Gilmar Mendes e Sérgio Moro se estranharam durante debate no SenadoGilmar Mendes e Sérgio Moro se estranharam durante debate no Senado

Líder de extrema direita e defensor de primeira hora do golpe jurídico-midiático-parlamentar contra a presidente Dilma Roussef (PT), há três anos, Mendes consta como suspeito de corrupção.

Crítico

Relatório financeiro da RF, de maio de 2018,”aponta uma variação patrimonial de R$ 696.396 do ministro e conclui que Guiomar ‘possui indícios de lavagem de dinheiro”, diz o documento vazado para a mídia conservadora.

Ainda em 2016, o ministro Gilmar Mendes enfrentou o hoje ministro Sérgio Moro em um debate sobre as “dez medidas anticorrupção”, no Senado. Mas Gilmar Mendes tem sido um crítico ferino da série de ilegalidades e ações arbitrárias cometidas por Moro, ao longo de sua carreira. O ministro, no entanto, informa que não recebeu “qualquer intimação referente ao suposto procedimento fiscal e também não tive acesso ao seu inteiro teor”.



A inovadora fusão musical de Jorge Pescara

febrero 9, 2019 9:44, por Feed RSS do(a) News


Depois dos aclamados “Grooves In The Temple” e “Knight Without Armour”, o baixista Jorge Pescara chega ao seu terceiro CD, “Grooves In The Eden”, produzido por Arnaldo DeSouteiro e lançado internacionalmente pela gravadora Jazz Station Records, de Los Angeles, em parceria com Fabio Golfetti, da Music Magick, e com distribuição no Brasil via Tratore. O virtuoso músico inicia, assim, um novo capítulo em sua brilhante trajetória, desta vez inspirado na combinação de elementos de jazz, rock, pop, funk, r&b e música brasileira, transcendendo rótulos e estilos, para se afirmar como uma fusão única e inovadora.

O repertório inclui recriações de sucessos de Freddie Hubbard (“Povo”), Deep Purple (“Smoke On The Water”), Beatles (“Come Together”), Earth Wind & Fire (“Brazilian Rhyme”) e Brecker Brothers (“Song For Barry”), além de temas compostos especialmente para o disco por Jorge Pescara em parcerias com Laudir de Oliveira (“MacumBass”) e Gaudencio Thiago de Mello (“Plato’s Dialogues: Timaeus & Critias”).

A faixa-título “Grooves In The Eden”, homenagem ao maestro Bob James, é assinada pelo tecladista Glauton Campello. “Azymuth Men” homenageia os integrantes do trio Azymuth, em especial o seu saudoso fundador, José Roberto Bertrami, com quem Pescara tocou por mais de 10 anos. O disco conta ainda com as participações de André Sachs, João Paulo Mendonça, Roberto Sallaberry, Claudio Infante, Cesar Machado e Paulinho Black, além do celista italiano Davide Zaccaria e o baterista franco/português David Jeronimè, entre outros.

Um dos baixistas brasileiros de maior expressividade no cenário contemporâneo do jazz e do rock progressivo, Jorge Pescara integra atualmente o grupo da cantora Ithamara Koorax, com quem já gravou diversos discos (“Brazilian Butterfly”, “Got To Be Real”, “Love Dance”) e excursionou pelo mundo, da Finlândia a Portugal, da França à Coréia do Sul, além de liderar a Knight Progband. Também gravou com Dom Um Romão, Luiz Bonfá, Paulo Moura, Eumir Deodato, José Roberto Bertrami, Celso Fonseca, Sergio Vid, Carlos Pingarilho, Mario Castro Neves, Lord K, João Palma, Laura Finocchiaro, o guitarrista japonês Mamoru Morishita, os compositores portugueses Fernando Girão e Paco Bandeira, além da banda prog metal norte-americana The Unified One, entre vários outros. Integrou as bandas ZERØ (“Eletroacustico”, “Quinto Elemento”), Dialeto (“The Last Tribe”) e JSR All Stars (“Friends From Brazil”, “Rio Strut”) em trabalhos de grande repercussão.

Onde comprar:

https://www.tratore.com.br/um_cd.php?id=14527

Onde ouvir:

https://open.spotify.com/album/0TU96LKfvWvKrcRonfoawH

http://www.jorgepescara.com.br



Desemprego e informalidade tendem a aumentar este ano, prevê o Dieese

febrero 6, 2019 14:21, por Feed RSS do(a) News

Técnica da subseção do Dieese da CUT, Adriana Marcolino critica a decisão do governo Bolsonaro de não prorrogar a política de valorização do mínimo.

 

Por Redação, com RBA – de São Paulo

 

O número de trabalhadores e trabalhadoras desalentados – aqueles que desistiram de procurar emprego depois de muito tentar encontrar uma vaga -, de desempregados e informais, que vem batendo recordes desde o ano passado, deve aumentar este ano. E a razão é a política econômica neoliberal do governo Jair Bolsonaro (PSL/RJ), que não aumentou o salário mínimo nem dá sinais de que vai utilizar os bancos e as empresas públicas ou ampliar investimentos públicos em infraestrutura para alavancar o crescimento econômico.

O desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobresO desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobres

Técnica da subseção do Dieese da CUT, Adriana Marcolino critica a decisão do governo Bolsonaro de não prorrogar a política de valorização do mínimo.

— Políticas que melhorem o mercado de trabalho e os salários, como a Política de Valorização do Salário Mínimo, são importantes para a retomada do crescimento porque ativam o mercado consumidor: a renda extra é usada para pagar dívidas, consumir mais comida e roupas e vai girar a economia. Só este governo vê o reajuste do mínimo, que subiu mais de 70% desde a implementação da política, como gasto, mas o dinheiro vai direto pro consumo e parte retorna como arrecadação — afirmou.

Indicadores

O economista do Dieese Nacional, César Andaku, complementa: o governo perdeu uma grande oportunidade de melhorar a economia quando diminuiu o reajuste do salário mínimo – um dos  primeiros atos de Bolsonaro como presidente foi baixar de R$ 1.006,00, como era previsto, para R$ 998,00 – menos R$ 8,00 no salário do trabalhador. “O reajuste menor também afetou aposentados e pensionistas do INSS que muitas vezes são quem sustentam suas famílias”, lembra Andaku.

A expectativa de crescimento da economia de 2,5% este ano, anunciada com pompa pelo governo não vai impactar nem 1% na queda do índice de desemprego, segundo Andaku.

Ele explica que os indicadores econômicos do mercado como a produção industrial, o Produto Interno Bruto (PIB) e as vendas de varejo ‘andando de lado’, revelam que não há perspectiva de melhora na economia, e, consequentemente, de geração de emprego.

— Quando o PIB melhora, o reflexo nos índices de emprego só serão sentidos depois de seis, oito meses e não há nada que demonstre que vai melhorar. Se a economia reagir, no máximo, terá impacto em 2020 — afirma Andaku.

Emprego

Para o economista, essa perspectiva vai aumentar o desalento porque quando a economia não anda, gera ainda mais desconfiança e desmotivação. Além disso, poderá aumentar o número de trabalhadores informais e pressionar para baixo os salários dos trabalhadores com carteira assinada.

— Procurar emprego tem um custo: passagem e comer na rua. É praticamente inviável para quem está sem trabalho há muito tempo procurar emprego. E quem consegue procurar acaba colocando pressão nos trabalhadores formais, com carteira assinada, que terão maior dificuldade em repor as perdas salariais pela massa de pessoas que buscam uma nova oportunidade — concluiu.



Armamento norte-americano é apreendido em aeroporto da Venezuela

febrero 6, 2019 14:21, por Feed RSS do(a) News

De acordo com as autoridades, “o material seria destinado a grupos criminosos e ações terroristas no país, financiados pela ‘extrema-direita fascista’ e pelo governo dos EUA, tendo o o vice-ministro anunciado que a Procuradoria Geral recebeu ordem para “continuar com as investigações e encontrar os responsáveis”.

Por Redação, com Sputnik – de Caracas 

O Ministério do Interior da Venezuela informou através de sua contra no Twitter que no Aeroporto Internacional de Arturo Michelena, situado na cidade venezuelana de Valencia, foi apreendido armamento militar procedente de Miami (EUA).

De acordo com as autoridades, “o material seria destinado a grupos criminosos e ações terroristas no país

Segundo as informações publicadas pelo vice-ministro de Prevenção e Segurança Cidadã, Endes Palencia, no dia 5 de fevereiro, as autoridades apreenderam munições de grande calibre, 19 fuzis, 118 carregadores de fuzis, 90 antenas de rádio, quatro porta-fuzis e seis celulares. O armamento foi encontrado em uma zona de armazenamento do aeroporto e, segundo as informações das autoridades, havia chegado ao país no domingo a bordo de um Air Bus N881YV.

De acordo com as autoridades, “o material seria destinado a grupos criminosos e ações terroristas no país, financiados pela ‘extrema-direita fascista’ e pelo governo dos EUA, tendo o o vice-ministro anunciado que a Procuradoria Geral recebeu ordem para “continuar com as investigações e encontrar os responsáveis”.

As autoridades informaram também que o Governo nacional reforçou o trabalho de segurança nos portos, terminais aéreos, zonas aduaneiras e outros espaços do país para “garantir a independência, soberania e liberdade”.

Trump declara ‘apoio ao povo da Venezuela

O presidente dos EUA, Donald Trump, realizou na noite de terça-feira o seu discurso anual ao Congresso.

Durante o seu discurso, o líder norte-americano afirmou que pretende anunciar “apoio ao povo da Venezuela na luta pela liberdade”.

– Apoiamos o povo venezuelano em sua nobre busca pela liberdade – diz o discurso de Trump, citado pelo serviço de imprensa da Casa Branca.

O presidente dos EUA também declarou que terá uma nova abordagem para as guerras que o país está liderando.

– Sendo um candidato presidencial, prometi uma nova abordagem [às guerras]. Grandes países não lutam em guerras sem fim  – diz o discurso de Trump.



Violão e acordeão num show de "ciganagem"

febrero 6, 2019 14:21, por Feed RSS do(a) News


Dois expoentes do jazz manouche brasileiro, o guitarrista Mauro Albert e o acordeonista Marcelo Cigano, estarão juntos nesta sexta-feira, dia 8 de fevereiro, no show intitulado "Ciganagem", embrião de um projeto em duo que os músicos pretendem desenvolver. O concerto está marcado para começar às 21 horas, no centro cultural Nau Catarineta (R. Cônego Serpa, 30, Santo Antonio de Lisboa), em Florianópolis, com ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia entrada).

Mauro e Marcelo se encontraram pela primeira vez numa das edições do Festival de Jazz Manouche de Piracicaba e desde então, juntos, acompanharam artistas internacionais como Jon Larsen e Irene Ypenburg, formando o que definem, brincando, de "dupla dinâmica", com uma natural camaradagem e sintonia musical, aliando sensibilidade e  técnica apurada, uma das características do jazz cigano, gênero criado pelo guitarrista belga Django Reinhardt na década de 30 do século passado e que se espalhou por todo o mundo. 

O concerto dessa sexta-feira será registrado com o propósito de lançamento em CD e DVD. Do repertório constam temas do jazz manouche e  tradicional, clássicos do cancioneiro cigano, composições autorais e releituras de tangos e músicas brasileiras, apresentando uma fusão de estilos com interpretação "visceral e sensibilidade à moda cigana", segundo Mauro.

O guitarrista, também compositor e pesquisador, já gravou quatro álbuns com composições autorais dedicados ao jazz cigano. Suas composições foram lançadas em coletâneas ao lados dos principais nomes do jazz manouche mundial. Desde 2014 é artista do selo Hot Club Records, a principal gravadora de jazz manouche, com sede em Oslo, Noruega. Referência no ensino do estilo no Brasil, Mauro realiza workshops e aulas para alunos de diversas regiões do país e da América Latina. Como colaborador da revista "Guitar Player" escreveu lições, pioneiras no Brasil, dedicada ao jazz cigano.

O acordeonista Marcelo Cigano é, reconhecidamente, um dos maiores virtuoses brasileiros em seu instrumento. Músico autodidata, nascido em uma família cigana da Sérvia, começou a tocar com oito anos de idade por influência de seu pai, também acordeonista. Transita com extrema tranquilidade entre diversos gêneros musicais - samba, choro, forró, jazz cigano, bossa nova, tango e a música dos Balcãs. Em 2014 lançou seu primeiro CD, intitulado "Influência do Jazz ", com participações especiais de Hermeto Pascoal, Toninho Ferragutti, Lea Freire e Thiago Espírito Santo, entre outros. Depois desse disco veio "Riat Romani", com repertório focado em suas origens, no jazz manouche e em músicas dos Balcãs, gravado ao vivo com o grupo curitibano Jazz Cigano Quinteto, formado por Vinícius Araújo, Djon Theo, Lucas Miranda, Wagner Bernet e Matheus Azevedo. Atualmente, Marcelo prepara o repertório de seu terceiro disco. Entre as músicas que vão compô-lo estão "Pra Nós 2", de Hermeto Pascoal, e "El Cigano", de Ludovic Beier, ambas compostas em sua homenagem.