Ir para o conteúdo

Bertoni

Voltar a Blog do Bertoni
Tela cheia

Editorial da Band é um exemplo de solidariedade de classe, ops, de casta

11 de Outubro de 2017, 12:38 , por Bertoni - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 138 vezes

É de emocionar a solidariedade de casta da Casagrande. De fazer inveja à Senzala, que fala, fala, fala em Solidariedade, mas a pratica de forma sui generis, principalmente na parcela senzalenta chamada classe média, os famosos capitães do mato.

Editorial do Grupo Bandeirantes, intitulado "Não à Insegurança Jurídica" publicado no Jornal Metro Curitiba é uma exemplar confissão de que a única regra que a Casagrande respeita é a máxima "Aos amigos tudo, aos inimigos a lei".

Confira:20171011 metrocuritiba pag04

Aqui a versão comentada do editorial (entre parenteses o não dito na versão impressa)

Editorial

NÃO À INSEGURANÇA JURÍDICA (para os membros de nossa Casagrande)

A luta contra a corrupção empolga a sociedade (rica, bem nascida na massa cheirosa e limpinha), demonstrando, em momentos históricos como o que estamos vivendo, que ninguém (da Senzala, pobres, classe média, midiotas e serviçais) deve estar acima da lei. São avanços que vão jogando por terra nossa vergonhosa tradição de “país da impunidade”. (Pobre impune, nunca mais!)

Mas nesse quadro – em que se comemora a aplicação da lei para todos (da Senzala, pobres, classe média, midiotas e serviçais) – tomam corpo episódios que, num ritmo crescente, vêm produzindo o intolerável ambiente da insegurança jurídica (para os membros de nossa Casagrande). Moralizar a política é uma necessidade exigida por qualquer brasileiro consciente (de sua superioridade social e riqueza economica) e já aplaudida (pelos convivas dos salões da Casagrande) pelo país afora.

Mas, quando em seu nome, os protagonistas da Corte Suprema partem para extremos (julgando presidentes e políticos de sangue azul, 100% Casagrande)  – quebrando a própria Constituição que devem defender (os membros da Casagrande) – o que fazem é atentar contra o que há de mais precioso na (nossa, exclusivamente nossa) democracia (sem a patuléia), que é o regime de garantias constitucionais (dos brancos ricos).

Fazer retroagir os efeitos de uma lei, agredindo o artigo 5o da Carta Magna, ou afastar um parlamentar (tucano, filiado ao PSDB, herdeiro legítimo de nossa UDN dos donos de escravos) sem um dispositivo constitucional que o fundamente, são exemplos perigosos, que colocam em sobressalto a própria (nossa, exclusivamente nossa) democracia (sem a patuléia).

O país (dos brancos ricos) exige que os corruptos (provenientes da Senzala, que ousaram entrar em nossos palácios e até mesmo governar o país que é nosso e não deles) se curvem ao peso rigoroso da lei (feita apenas para ser aplicada aos inimigos), mas sem jamais agredir a Constituição (de nossas riquezas, laços familiares e senhoriais que tanto caracterizam a nossa Casagrande). E isso vem acontecendo. (Assim não pode! Assin não dá! O que estão pensando? Que este é um país para todos? Que absurdo! Onde já se viu? ) Quando Ruy Barbosa disse que é privilégio do Supremo errar por último, ele certamente não estava sugerindo que nossos ministros errassem tanto.

Grupo Bandeirantes de Comunicação


0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    Bertoni