Ir para o conteúdo

Diógenes Brandão

Voltar a Blog
Tela cheia

E o senador Paulo Rocha (PT), hein? Votou, como outros 40, a favor do aumento para ministros do STF

8 de Novembro de 2018, 19:50 , por AS FALAS DA PÓLIS - | No one following this article yet.
Visualizado 7 vezes
Paulo Rocha votou a favor do aumento para os ministros do STF, quem chama de golpistas.


Por Carlos Mendes, no Ver-o-Fato 

O Pará não dá sorte com seus senadores: quando eles não dão as caras em Brasília - e Jader Barbalho, reeleito, é o maior exemplo -  para brigar pelos interesses do Estado, comparecem ao plenário e fazem o papelão que acabou de fazer o petista Paulo Rocha. Ele aprovou o aumento de 16,38% no  salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) — que deve gerar um rombo de até R$ 6 bilhões para União e estados, segundo cálculos técnicos da Câmara dos Deputados. Outro paraense, Flexa Ribeiro (PSDB), não compareceu ao plenário para votar.  

Dos oito senadores dos partidos que fecharam contra o aumento, apenas dois descumpriram a orientação partidária: Jorge Viana (PT-AC) também votou a favor do aumento, como Paulo Rocha. Os três senadores do PR, partido do senador Magno Malta — que já avisou que será ministro de Bolsonaro — votaram a favor de aumentar o salário dos ministros, assim como a maioria dos parlamentares de PSDB e MDB, do presidente Michel Temer.     

No tucanato, apenas Ricardo Ferraço (PSDB-ES) divergiu da orientação do governo e votou contra o aumento. Os outros dez senadores da legenda presentes na votação disseram sim ao reajuste, entre eles Aécio Neves (PSDB-MG), José Serra (PSDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE), ex-presidentes da legenda.   

O DEM da deputada Tereza Cristina, indicada como futura ministra da Agricultura, ficou dividido na votação. Ronaldo Caiado (DEM-GO), governador eleito de Goiás, e Wilder Morais (DEM-GO), senadores que já declararam apoio explícito a Bolsonaro, votaram contra, conforme a orientação do presidente eleito. Além deles, Maria do Carmo Alves (DEM-SE) também rejeitou o aumento. Votaram a favor José Agripino (DEM-RN) e Davi Alcolumbre (DEM-AP).   

Mesmo com a situação fiscal e as contas públicas nas cordas, o MDB do presidente Michel Temer orientou que sua bancada votasse a favor do reajuste de 16,38%. A maioria dos parlamentares seguiu a orientação partidária e votou a favor, com exceção de Roberto Requião (MDB-RS).    

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que cumpre pena em regime semiaberto por crimes contra o sistema financeiro nacional, estava presente no Plenário do Senado e votou a favor do aumento do salário dos ministros do STF. Gurgacz está preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília, e por determinação do ministro do Supremo Alexandre de Moraes exerce o mandato durante o dia e retorna à prisão à noite.   

Os que votaram a favor devem se beneficiar - assim como os que votaram contra - do reajuste aos ministros do STF, uma vez que o efeito cascata irá fazer com que seus salários também subam.  Que nome você daria a esse tipo de oportunismo político? (Do Ver-o-Fato, com informações de O Globo, Folha e Estadão)  

Veja a lista de quem votou contra ou a favor:    

Votaram a favor do reajuste: 

Acir Gurgacz (PDT-RO) 
Aécio Neves (PSDB-MG) 
Ângela Portela (PDT-RR) 
Antonio Anastasia (PSDB-MG) 
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) 
Armando Monteiro (PTB-PE) 
Ataídes Oliveira (PSDB-TO) 
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) 
Cidinho Santos (PR-MT) 
Ciro Nogueira (PP-PI) 
Dalirio Beber (PSDB-SC) 
Davi Alcolumbre (DEM-AP) 
Edison Lobão (MDB-MA) 
Eduardo Amorim (PSDB-SE) 
Eduardo Braga (MDB-AM) 
Eduardo Lopes (PRB-RJ) 
Fernando Coelho (MDB-PE) 
Garibaldi Alves Filho (MDB-RN) 
Hélio José (PROS-DF) 
Ivo Cassol (MDB-RO) 
Jorge Viana (PT-AC) 
José Agripino (DEM-RN) 
José Amauri (Pode-PI) 
José Medeiros (Pode-MT) 
José Serra (PSDB-SP) 
Otto Alencar (PSD-BA) 
Paulo Bauer (PSDB-SC) 
Paulo Rocha (PT-PA) 
Raimundo Lira (MDB-PB) 
Renan Calheiros (MDB-AL) 
Roberto Rocha (PSDB-MA) 
Romero Jucá (MDB-RR) 
Rose de Freitas (PODE-ES) 
Sérgio Petecão (PSD-AC) 
Tasso Jereissati (PSDB-CE) 
Telmário Mota (PTB-RR) 
Valdir Raupp (MDB-RO) 
Vicentinho Alves (PR-TO) 
Walter Pinheiro (Sem partido-BA) 
Wellington Fagundes (PR-MT) 
Zeze Perrela (MDB-MG) 

Votaram contra a proposta: 

Airton Sandoval (MDB-SP) 
Cristovam Buarque (PPS-DF) 
Fátima Bezerra (PT-RN) 
Givago Tenório (PP-AL) 
José Pimentel (PT-CE) 
Lídice da Mata (PSB-BA) 
Lúcia Vânia (PSB-G) 
Maria do Carmo Alves (DEM-SE) 
Randolfe Rodrigues (Rede-AP) 
Regina Sousa (PT-PI) 
Reguffe (Sem partido-DF) 
Ricardo Ferraço (PSDB-ES) 
Roberto Requião (MDB-PR) 
Ronaldo Caiado (DEM-GO) 
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) 
Wilder Morais (DEM-GO) 

*O senador José Maranhão (MDB-PB) se absteve. 
Receba atualização do Blog no seu email.

Fonte: http://diogenesbrandao.blogspot.com/2018/11/e-o-senador-paulo-rocha-pt-hein-votou.html